Gaudium news > Cazaquistão se consagra a Nossa Senhora pedindo proteção contra o Coronavírus

Cazaquistão se consagra a Nossa Senhora pedindo proteção contra o Coronavírus

Os fiéis se confiaram à Nossa Senhora, pedindo proteção, sobretudo, para os profissionais da saúde que estão na linha de frente da batalha contra o novo coronavírus.

Cazaquistão – Karaganda (05/05/2020 15:00, Gaudium Press) Na última sexta-feira, 1º de maio, os fiéis da Diocese de Karaganda, Cazaquistão realizaram uma vigília especial em honra a Nossa Senhora, consagrando o país à Rainha da Paz, padroeira da ex-república soviética da Ásia Central.

Cerimônia de consagração a Nossa Senhora

Durante a cerimônia, presidida pelo Bispo local, Dom Adelio Dell’Oro, os fiéis se confiaram à Nossa Senhora, pedindo proteção, sobretudo, para os profissionais da saúde que estão na linha de frente da batalha contra o novo coronavírus.

(Leia também: Filipinas e Polônia serão consagradas à proteção da Virgem Maria)

Após a exposição do Santíssimo Sacramento, o prelado leu uma introdução na qual foi explicado o motivo dessa oração e o trecho do Evangelho em que Nosso Senhor, pouco antes de morrer, confia o apóstolo São João a Virgem Maria. Em seguida, foram recitados três mistérios do Rosário e depois se realizou o Ato de Consagração a Nossa Senhora.

No ano de 1656, Nossa Senhora de Czestochowa foi declarada, oficialmente, pelo Papa, como Rainha da Polônia.

O Cazaquistão e a devoção a Nossa Senhora

“Utilizamos o texto composto 25 anos atrás pelo primeiro Bispo de Karaganda, Dom Jan Paweł Lenga: eram os anos imediatamente sucessivos ao esfacelamento da União Soviética e havia grande pobreza. Assim, no Santuário nacional de Oziornoje, o Bispo quis consagrar o país a Maria”, afirmou Dom Dell’Oro.

(Leia também: Brasil se consagra a Nossa Senhora)

O Bispo de Karaganda recordou que durante a II Guerra Mundial, naquele lugar se reuniram muitos poloneses deportados que sofriam com a fome e o frio. Foi então que recorreram à Nossa Senhora, e assim que o gelo que cobria o lugar derreteu, formou-se um imenso lago repleto de peixes, alimentando todos os deportados. “Diante da atual urgência, a Igreja no Cazaquistão recorre novamente à proteção e intercessão de Nossa Senhora”, ressaltou.

Coronavírus no Cazaquistão

O Cazaquistão registrou, até o início de maio, mais de 3.500 contágios de coronavírus e 25 mortos. Para limitar a difusão do vírus, o governo desta nação impôs o isolamento interno e a obrigação de visto para entrada no país.

(Leia também: Estados Unidos e Canadá se consagram a Nossa Senhora)

Segundo Dom Adelio Dell’Oro desde o Domingo de Ramos não há missas abertas ao público e “somente dias atrás deram a permissão para celebrar com um máximo de cinco pessoas na igreja. Em todo caso, os fiéis têm a oportunidade de participar de casa, seguindo a missa pela internet. O governo está procurando organizar, nestes dias, a retomada de algumas atividades”. (EPC)

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas