Gaudium news > Bento XVI: uma lição de 70

Bento XVI: uma lição de 70

“Quem não verá certa analogia entre a situação daquele homem debilitado, silencioso, cansado, coarctado em seus movimentos, e a do Corpo Místico de Cristo?”

Redação (29/06/2021 11:49, Gaudium Press). Comemoram-se hoje setenta anos da ordenação sacerdotal de Bento XVI.

O fato é, sem dúvida, memorável. Foi ali, justamente na solenidade do primeiro Papa, que o jovem Ratzinger deu o passo definitivo na carreira que culminaria em seu próprio pontificado, e ele de alguma forma pressentia isso: “Estava convencido – eu mesmo não sei como – de que o que Deus queria de mim só se podia conseguir fazendo-me sacerdote”.[1]

A Rome Reports publicou um curto vídeo, no qual Mons. Georg Gänswein revela a surpresa que lhe estavam preparando em função da data: alguns membros do coro de Ratisbona, outrora dirigido pelo falecido irmão do pontífice, irão cantar durante a Santa Missa.

O homem vestido de branco

Ao longo das cenas, não vemos Bento XVI pronunciar palavra – aliás, ele tem falado muito pouco ultimamente, as forças já não dão para isso – mas sua figura, de per si, profere um eloquente discurso…

O “homem vestido de branco”: os cabelos que parecem feitos de neve, a tez clara, servem de certa forma para realçar as impressões causadas pela batina completamente branca, privilégio exclusivo dos pontífices.

Entretanto, este muro caiado não é de todo inexpugnável: ele possui duas pequenas – mas quão expressivas! – janelas.

Aquele par de olhos vívidos, aos quais os anos conferiram um ar benévolo, afável e bastante cansado, não deixou em nada de refletir a perspicácia e a agudez de inteligência do panzerkardinal dos tempos de prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Nada lhe escapa, sobretudo não escapa a constatação de que lhe resta pouco tempo nesta terra: “todos os dias começo com o Senhor e termino com o Senhor, e já veremos quanto dura…”, confessou ele a Mons. Georg.

Uma lição de 70

O que mais nos diz esse silencioso “homem vestido de branco”?

Joseph Ratzinger é um mistério. Não entendido aqui em sua acepção lata, mas no sentido litúrgico do termo, ou seja, um sacramento: um sinal sensível de uma realidade sobrenatural.

Tendo Bento XVI, enquanto Vigário de Cristo, contraído um desponsório místico com a Igreja, não será que ele de algum modo encarna ou, pelo menos, reflete em si algo do que se passa com Ela?

Quem não verá certa analogia entre a situação daquele homem debilitado, silencioso, cansado, coarctado em seus movimentos, e a do Corpo Místico de Cristo?

Por outro lado, sabemos que o número sete é símbolo de plenitude. Por mais que, neste aniversário de 70 anos, as exterioridades nos indiquem um ocaso próximo, a Igreja goza de uma promessa de imortalidade: precisamos estar certos de que uma primavera se aproxima. Isso, aliás, é a opinião do próprio Ratzinger:

“O cristianismo é sempre como o grão de mostarda, e, precisamente por isso, volta sempre a rejuvenescer. […]. Mas estou totalmente convencido de que a fé seguirá estando presente na história. Estará de algum modo rejuvenescida, com uma energia nova e sobrevivendo à humanidade; estou seguro disso”.[2]

Por Oto Pereira


[1] SEEWALD, Peter. Benedicto XVI: una mirada cercana. 2. ed. Madrid: Palabra, p. 143.

[2]SEEWALD, Peter. Sal de la Tierra. 5. ed. Madrid: Palabra, p. 56

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas