Gaudium news > Só os padres e religiosos devem obedecer?

Só os padres e religiosos devem obedecer?

A prática da obediência não se restringe ao cumprimento das ordens e preceitos claramente expressos por parte daquele que manda.

Redação (14/11/2022 11:11, Gaudium Press) Dos monges dos primeiros tempos contam-se fatos admiráveis relacionados com a virtude da obediência.

Sabia-se que um discípulo do Abade Paulo, de nome João, jamais resistia a qualquer ordem recebida, por mais árdua que fosse. Assim, em certa ocasião em que o abade o encarregou de uma incumbência na aldeia vizinha, aprestou-se a obedecer, mas preveniu o superior:

– Pai e senhor meu, ouvi dizer que ronda por aquelas bandas uma leoa feroz.

– Se a leoa te atacar, detém-na e traze-a contigo – respondeu o ancião, gracejando.

Ao cair da tarde, de fato, a leoa saltou sobre ele. Sucedeu, então, o inverossímil: a fera tornou-se presa e o monge, caçador. Cumprindo a ordem dada pelo superior, João quis sujeitá-la, mas ela escapou. Então ele a perseguiu, bradando:

– Mandou-me o abade prender-te e levar-te a ele!

A estas palavras, a fera deteve-se imediatamente. João a segurou e empreendeu o caminho de volta ao mosteiro, onde o abade mostrava-se pesaroso e preocupado por seu filho espiritual que tanto tardava. Ao vê-lo retornar arrastando a leoa, encheu-se de admiração e deu graças a Deus. Cheio da alegria dos obedientes, disse-lhe o discípulo:

– Eis aqui, pai, a leoa que me mandaste trazer.

Para o bem daquela alma, a fim de que não viesse a envaidecer-se, o abade deu-lhe ordem de soltar a fera. O fato tornou-se logo conhecido entre os monges, que engrandeceram a Deus pelo prodígio realizado para enaltecer o valor da obediência.

O que significa obediência?

Oriunda do termo latino ob-audire – escutar com atenção -, a obediência é “uma virtude moral que torna a vontade pronta para executar os preceitos do superior”. E tanto mais perfeita ela será, “quanto mais rapidamente se adiante a executar aquilo que se entende ser vontade do superior, mesmo antes de este a manifestar”.

Portanto, a prática da obediência não se restringe ao cumprimento das ordens e preceitos claramente expressos por parte daquele que manda. Quem almeja praticá-la em grau excelente deve assumir a postura de um bom filho em relação ao pai, ou seja, estar extremamente atento àquilo que o superior quer.

Porque “a obediência é, antes de tudo, uma atitude filial. É aquele tipo particular de escuta que só mesmo o filho pode prestar ao pai, por estar iluminado pela certeza de que o pai só pode ter coisas boas a dizer e a dar ao filho; uma escuta embebida naquela confiança que permite ao filho acolher a vontade do pai, certo de que esta será para seu bem.

Isto é imensamente mais verdadeiro em relação a Deus. Com efeito, nós atingimos a nossa plenitude somente na medida em que nos inserimos no desígnio com que Ele nos concebeu em seu amor de Pai”.

Só para os padres e religiosos?

Evidentemente, a virtude da obediência compete sobretudo aos clérigos e aos membros dos Institutos religiosos, vinculados pela profissão dos votos, cada qual a seu respectivo superior. Constitui, aliás, o elemento mais importante da vida religiosa, conforme demonstrou o Doutor Angélico e lembra o Padre Royo Marín: “o estado religioso, em virtude principalmente do voto de obediência, é um verdadeiro holocausto que se oferece a Deus”.

Como diz São Gregório Magno: “com razão se antepõe a obediência aos sacrifícios, posto que mediante as vítimas se imola a carne alheia, enquanto que, pela obediência, se imola a vontade própria”.

Sem embargo, apesar de concernir de modo especial os clérigos e membros de Institutos religiosos, a virtude da obediência abrange uma gama de pessoas muito mais ampla.

Na Epístola aos Efésios, depois de incentivar todos a serem “submissos uns aos outros no temor de Cristo” (Ef 5, 21), São Paulo mostra, fundando-se em argumentos elevadíssimos, como ela deve ser praticada em todos os âmbitos das relações humanas, mesmo na ordem temporal. Assim, por exemplo, exorta os filhos a obedecerem aos pais, lembrando-lhes que é cumprindo o mandamento de honrar pai e mãe que serão felizes (cf. Ef 6, 1-3). Não deixa, porém, de alertar estes últimos para que, no exercício de sua autoridade, não provoquem a ira dos filhos, mas os eduquem na disciplina e instruções do Senhor (cf. Ef 6, 4).

E São Pedro afirma que devemos ser submissos “a toda autoridade humana” (I Pd 2, 13); portanto, não somente àquelas que julgamos serem boas e justas. Também São Paulo é claro nesse sentido: “Cada qual seja submisso às autoridades constituídas, porque não há autoridade que não venha de Deus; as que existem foram instituídas por Deus” (Rm 13, 1).

Logo em seguida, o Apóstolo alerta para o prejuízo da insubordinação: “Quem resiste à autoridade, opõe-se à ordem estabelecida por Deus; e os que a ela se opõem, atraem sobre si a condenação” (Rm 13, 2).

Um princípio fundamental para a vida cotidiana

Como obedecer a um superior cujos defeitos são patentes? O problema é complexo e infelizmente frequente… Entretanto, há um princípio fundamental para ser sempre aplicado nos casos concretos: é preciso procurar ver a Deus no superior com os olhos da fé, lembrando-se que, na vida religiosa, ele representa Nosso Senhor Jesus Cristo.

Exemplo da aplicação desse princípio à vida cotidiana nos dá São Tomás de Aquino em um episódio pouco conhecido. Sendo o turno dele de fazer a leitura no refeitório, aquele que presidia a mesa lhe fez sinal, em determinado momento, para colocar um acento sobre outra sílaba que não a correta. Se bem que sua pronúncia estivesse certa, ele imediatamente retificou-a, acatando a vontade do superior.

Na recreação seus irmãos comentaram que não deveria tê-lo feito, posto que evidentemente ele estava com a razão. Mas, São Tomás respondeu: “É pouco importante pronunciar uma palavra dessa ou daquela maneira, mas é sempre importante a um religioso exercer a obediência e a humildade”.

Obediência, hierarquia e autoridade são pilares indispensáveis para uma sociedade bem constituída. E o conceito de liberdade, em seu sentido moral verdadeiro, não se cifra na capacidade de fazer sempre a própria vontade (inclusive podendo escolher o mal), mas sim em fazer o bem, cumprindo a vontade de Deus, ainda que à custa de sacrifícios, renúncias e abnegação. Nesta obediência cheia de liberdade o homem se livra da escravidão da libertinagem. Só assim terá ele autêntica e duradoura felicidade, pois o pecado não traz alegria e paz, mas apenas fruição passageira.

Por intermédio de Maria Santíssima, peçamos, pois, a graça de praticar eximiamente esta santa virtude da obediência, a fim de gozarmos da infinita felicidade que nos está reservada por Jesus Cristo na eternidade.

Texto extraído, com adaptações, da Revista Arautos do Evangelho, n.143, novembro 2013.

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas