Gaudium news > Seis verdades sobre as Almas do Purgatório relembradas no dia do “Padroeiro das Almas”

Seis verdades sobre as Almas do Purgatório relembradas no dia do “Padroeiro das Almas”

No dia de São Nicolau de Tolentino, “Padroeiro das Almas”, vale a pena recordar citações bíblicas, a voz dos santos e a proteção dessas benditas almas.

No dia de São Nicolau de Tolentino, “Padroeiro das Almas”, vale a pena recordar citações bíblicas, a voz dos santos e a proteção dessas benditas almas.

Redação (10/09/2020, 16:54 – Gaudium Press) No dia de hoje, 10 de setembro, a Igreja celebra a memória litúrgica de São Nicolau de Tolentino um santo que nasceu em Sant’Angelo, na Itália, no longínquo ano de 1245, em plena Idade Média.

Sua mãe, Amada Gaidani, muito devota de São Nicolau de Mira, prometeu-lhe que, se a livrasse da esterilidade, faria religioso o filho que concebesse, fosse menino ou menina. Assim narrou o Santo: “Feito o voto, foram visitar o Santuário de São Nicolau, em Bari. Ao regressar, minha mãe me concebeu, segundo me contaram”.

Desde tenra idade, Nicolau fugia do que era mundano e divertido, e rezava com tanto recolhimento que causava admiração. Com apenas sete anos começou a jejuar três vezes por semana, tinha avidez por receber os pobres na casa paterna e se retirava numa gruta próxima para pôr-se em solitária oração.

Entrou para a Ordem de Santo Agostinho tendo feito sua profissão religiosa antes de ter completado 18 anos e, em 1271, foi ordenado sacerdote no convento de Cingole.

Os últimos 30 anos de sua vida, aproximadamente, Nicolau viveu em Tolentino. Tinha uma vida não só piedosa, mas santa.

Possuía o dom dos milagres. Quando, pela graça de Deus, realizava algum, pedia aos presentes: “Não digam nada sobre isto. Deem graças a Deus, não a mim”.

Padroeiro das santas Almas

Um dia, escutou alguém que lhe dizia:

–Nicolau! Homem de Deus, olha-me!

Sobressaltado, voltou-se na direção de onde partira o brado e viu uma figura que não conseguia identificar. Esta prosseguiu:

— Sou a alma de Frei Peregrino de Osimo, a quem conheceste, e estou atormentado no Purgatório, onde vim purificar-me de minhas culpas.

Depois de se apresentar, aquela bendita alma pediu-lhe que celebrasse uma Missa de réquiem para poder sair das chamas que a consumiam.

Pe. Nicolau argumentou estar encarregado de presidir a Eucaristia conventual durante a semana, não lhe sendo possível, portanto, celebrar Missas de defuntos.

Frei Peregrino mostrou-lhe, então, um vale vizinho a Pésaro, repleto de uma multidão de almas de todas as condições, idade e sexo, várias delas pertencentes a distintas ordens religiosas, e perguntou se era capaz de rejeitar as súplicas de tanta gente.

Na manhã seguinte, Pe. Nicolau contou a seu superior a visão que tivera, obtendo autorização para celebrar durante toda a semana Missas de réquiem em sufrágio daquelas almas sofredoras. Ademais, rezou por elas dia e noite, entre lágrimas de compaixão. Passados sete dias, Frei Peregrino veio agradecer sua intercessão, pois ele e grande número de seus companheiros de penas já gozavam da visão beatífica.

Esta é a origem do septenário de Missas pelos fiéis defuntos de São Nicolau de Tolentino, que passou a ser conhecido pelas benditas almas como aquele que “com a nave de seus méritos e orações sulca o mar do Purgatório.”[1]

No dia de São Nicolau de Tolentino, “Padroeiro das Almas”, vale a pena recordar citações bíblicas, a voz dos santos e a proteção dessas benditas almas.

A existência do Purgatório é mencionada na Bíblia

O Catecismo da Igreja Católica destaca que o purgatório é uma “purificação final” necessária para chegar ao céu todos os que “morrem na graça e na amizade de Deus, mas não estão completamente purificados, embora tenham garantida sua salvação eterna”.

Essa realidade é pouco conhecida ou não é bem compreendida.

Em diversas passagens da Bíblia se encontram referências ao purgatório. Podemos encontrar concretamente nos Evangelhos de Mateus (12, 32); Lucas (12, 59) e na Primeira Carta aos Coríntios (3, 15).

Pode-se oferecer uma indulgência por uma alma no purgatório

A Indulgentiarum Doctrina assinala, em sua norma número 15, que um católico pode receber uma indulgência plenária por um defunto “em todas as igrejas, oratórios públicos ou semi-públicos, para os que legitimamente usam desses últimos”, seguindo as condições habituais de confissão sacramental, comunhão eucarística e oração pelas intenções do Papa.

No dia 02 de novembro a Igreja comemora a Festa de Todos os fiéis defuntos e nesse dia pode-se obter uma indulgência plenária para a alma de um ente querido, família ou amigo.

As almas do purgatório podem ser intercessoras

No dia de São Nicolau de Tolentino, “Padroeiro das Almas”, vale a pena recordar citações bíblicas, a voz dos santos e a proteção dessas benditas almas.

Santa Catarina de Siena disse que as almas do purgatório, que foram libertadas das suas tristezas nunca se esquecerão dos seus benfeitores na terra e intercederão por eles diante de Deus. Além disso, quando essa pessoa chegar ao céu, elas a receberão.

Suas orações protegem seus amigos dos perigos e os ajudam a superar dificuldades.

Santa Catarina de Bolonha, disse em uma ocasião: “Recebi muitos e grandes favores dos Santos, mas muito maiores das Almas Santas (do purgatório)”.

São João Macias era outro santo que tinha muita devoção pelas almas ou almas do purgatório e com as suas orações, especialmente o Rosário, conseguiu libertar 1,4 milhões, segundo ele mesmo afirmava depois de uma revelação divina.

Como retribuição, conseguiu graças extraordinárias e abundantes destas pessoas que chegaram ao Céu graças às suas orações e no momento da morte deste santo peruano, conta-se que foi consolado pelas mesmas almas que ele ajudou a livrar do purgatório.

Alguns santos visitaram o purgatório

Santa Faustina Kowalska, a mensageira da Divina Misericórdia, é um exemplo deste grupo de pessoas que estiveram no purgatório ainda em vida e lá comprovaram o que se sabe sobre ele. Ela recebeu a graça de ver o purgatório, o céu e o inferno. Em seus escritos, a santa polonesa conta que uma noite seu anjo da guarda pediu-lhe para segui-lo e ela chegou a um lugar cheio de fogo e de almas que sofriam, entretanto, aquele não era o inferno.

Ela perguntou às almas o que as fazia sofrer mais, e elas responderam que era sentirem-se distantes e abandonadas por Deus. Quando ela saiu, ouviu a voz do Senhor que lhe disse: “Minha Misericórdia não quer isso, mas minha Justiça pede por isso”.

A Virgem Maria consola as almas que estão no Purgatório

Em sua visão do purgatório, Santa Faustina Kowalska também observou que a Virgem Maria visitava as almas que estavam lá e ouviu que estas a chamavam de “Estrela do Mar”.

Por outro lado, a Mãe de Deus teria revelado a Santa Brígida que “qualquer pena, mesmo que seja no Purgatório, se tornaria mais suave e mais fácil de suportar com sua intercessão”. (JSG)

Oração pelas almas do purgatório

Eterno Pai, ofereço-Vos o Preciossímo Sangue de Vosso Divino filho Jesus, em união com todas as missas que hoje são celebradas, por todas as santas almas do purgatório, pelos pecadores de todos os lugares, de toda a Igreja, pelos os de minha casa e de meus vizinhos. Amém.

(Santa Gertrudes)

 

(Com Informações ACI)


[1] Cf. Revista Arautos do Evangelho n.189, setembro 2017.

 

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas