Gaudium news > São Raimundo de Peñafort: símbolo de uma época

São Raimundo de Peñafort: símbolo de uma época

O modo pelo qual uma época trata um santo mostra como ela trata Deus, ou seja, como está a maioria dos habitantes em face do Criador.

Redação (07/01/2021 09:49, Gaudium Press) O santo é uma imagem de Deus; quem o odeia, odeia também a Deus. Então, quando estudamos a vida dos santos, que formam um longo cortejo de luz, de sangue e de lágrimas dentro da História, podemos ir vendo como foram tratados nas épocas em que viveram.

Se uma época os tratou bem, nesta a maior parte dos homens estava em estado de graça; se os tratou mal, não estavam em estado de graça.

Assim, através da vida de São Raimundo de Peñafort podemos fazer o balanço de uma época e constatar como é possível uma civilização católica, em que milhões de pessoas vivam em estado de graça.

Aos vinte anos de idade, professor de Filosofia

Terceiro Geral de sua Ordem — Ordem de São Domingos —, São Raimundo de Peñafort nasceu na Catalunha, no castelo de Peñafort, de pais ricos e nobres, descendentes da família real de Aragão — portanto, era de uma alta nobreza. Quando jovem, percorreu com tão grande brilho o curso de seus primeiros estudos, que com vinte anos foi encarregado de ensinar Filosofia em sua cidade natal.

A formação de sua mentalidade o preocupava muito mais do que a de sua mera inteligência. Daí o zelo que tinha em inspirar uma sólida piedade a todos os seus discípulos.

A virtude e o talento conduzem à glória

O tempo que ele podia subtrair às suas ocupações, o santo empregava em socorrer os infelizes e eliminar as discórdias na cidade.

Resolvido a fazer um curso de Direito Civil e Canônico, aos trinta anos deixou sua pátria e foi para Bolonha, na Itália, para as famosas lições dos célebres professores daquela cidade. Em muito pouco tempo ele se tornou doutor.

E a primeira cátedra de Direito Canônico lhe foi atribuída com aclamação de toda a Universidade.

O Senado de Bolonha, com a intenção de reter na cidade um jovem tão eminente, desejou dar-lhe retribuição, com o dinheiro público. Mas, de nada adiantou. Ele foi chamado para a Espanha, por ordem do Papa Honório III, para ser professor do jovem Rei Tiago I de Aragão.

Autor de livros sobre casos de consciência

Tendo recebido um canonicato e logo depois o título de arcediago, na igreja de Barcelona, tornou-se o modelo dos sacerdotes do Senhor. A festa da Anunciação era então muito negligenciada nas igrejas da Espanha. Com piedosa insistência, conseguiu do Bispo de Barcelona que se celebrasse essa grande festa com Ofício Solene, e uma parte do dinheiro que ganhou destinava exatamente para isso.

São Raimundo de Peñafort conheceu São Domingos de Gusmão e se tornou testemunha de suas grandes virtudes. De tal maneira ele admirava a vida angélica dos primeiros dominicanos, que pediu o hábito e o recebeu, em abril de 1222. Seu exemplo atraiu para a Ordem muitos grandes personagens.

Tendo pedido uma severa penitência a fim de expiar as vãs complacências que, segundo ele, tivera quando ensinava, ordenaram-lhe que compusesse um conjunto de livros sobre os casos de consciência mais difíceis, que costumavam aparecer para os confessores na Espanha.

Essa obra foi elogiada pelo Papa Clemente VIII, como sendo igualmente útil aos penitentes e confessores; foi o primeiro trabalho no gênero existente na Igreja Católica.

Harmonia entre as virtudes

Em 1229, o Papa São Gregório IX enviou para a Espanha o Cardeal Sabino, a fim de exortar os príncipes da região a continuar valentemente a luta contra os mouros.

O Cardeal, que já conhecia São Raimundo, o tomou para seu primeiro-assistente. Iniciou-se, então, a pregação de São Raimundo para a Cruzada.

O santo entrava nas cidades e anunciava que o Cardeal chegaria um ou dois dias depois, a fim de conceder a indulgência da Cruzada.

Depois, ele ouvia as confissões e assim dispunha as almas para a chegada do Cardeal, que encontrava os espíritos dóceis aos mínimos desejos do Vigário de Jesus Cristo.

Ao regressar a Roma, o Legado não deixou de falar ao Papa a respeito dos méritos de São Raimundo de Peñafort. Impressionado com o relato, o Soberano Pontífice mandou que o santo viesse a Roma, e lhe pediu para ser seu capelão, penitenciário e confessor.

O homem de Deus impunha como penitência ao Papa despachar, com caridade e imediatamente, a causa dos pobres que não tinham protetor. O Sumo Pontífice pediu, então, ao santo que o ajudasse a despachar.

Tratado a respeito da prática do comércio

O Arcebispado de Tarragona veio a vagar pela morte do Arcebispo Metropolitano da Coroa de Aragão.

O Papa conferiu tal Arcebispado a São Raimundo de Peñafort, ordenando que o aceitasse, embora este não o quisesse. Mas Raimundo ficou gravemente doente e Gregório IX, temendo que este morresse, dispensou-o do Arcebispado.

Extenuado por tanto trabalho, São Raimundo caiu novamente doente, num estado que inspirou sérias preocupações. Os médicos o aconselharam a voltar para a Espanha. Tendo regressado ao seu convento de Barcelona, ele observava todos os pontos da regra. A pedido de vários Bispos, São Raimundo redigiu um tratado a respeito da conduta que deveriam ter os comerciantes para não roubarem o público, e especificando os casos em que os comerciantes tinham que fazer restituição.

Ordem religiosa para a redenção dos cativos

Todos os dias, salvo aos domingos, ele não tomava senão uma ligeira refeição. Nosso Senhor lhe tinha dado, como familiar, um de seus anjos, que conversava com ele.

Um pouco antes do sino do convento tocar para as Matinas, o anjo o acordava e o convidava para fazer oração.

Um dos mais brilhantes raios de sua glória foi ter tomado parte na instituição da Ordem de Nossa Senhora das Mercês, para a redenção dos cativos, fundada pelo Rei Tiago I de Aragão, graças a uma revelação do alto; tal revelação foi feita simultaneamente, numa mesma noite, a esse monarca, a São Raimundo de Peñafort e a São Pedro Nolasco, um gentil-homem francês, que também fora preceptor do Rei.

O Rei, acompanhado de toda a corte e dos magistrados, foi para a igreja catedral, chamada da Santa Cruz de Jerusalém. O Bispo Berenger oficiou pontificalmente. São Raimundo subiu à cátedra e professou, diante de todo o povo, que tinha sido milagrosamente revelado a ele, ao Rei e a São Pedro Nolasco, a vontade de Deus sobre a Ordem. Por ocasião do Ofertório, o Rei e São Raimundo apresentaram São Pedro Nolasco ao Bispo, que o revestiu do hábito da Ordem. Terminada a Missa, o monarca conduziu São Pedro Nolasco e seus frades para seu próprio palácio, numa parte que ele tinha reservado para ser mosteiro.

São Raimundo empregou, então, o resto de sua vida a propagar e favorecer a Ordem religiosa de São Pedro Nolasco.

Maravilhosa viagem marítima

Numa viagem à ilha de Maiorca, uma das Baleares, Tiago I fez-se acompanhar pelo bem-aventurado e, esquecendo o respeito que tinha para com o santo, embarcou clandestinamente uma mulher pública no mesmo navio.

Na ilha de Maiorca, São Raimundo, avisado do fato, fez pressão junto ao soberano para mandar embora essa mulher. O Rei prometeu, mas não cumpriu a promessa. O santo, descontente, pediu para voltar a Barcelona. O Rei lhe negou a licença e proibiu secretamente, sob pena de morte, a todos os marinheiros que permitissem que o santo saísse do porto da ilha de Maiorca.

O santo se apoderou do manto de um companheiro, chegou até a ponta de um pequeno promontório deserto e disse: “O Rei da Terra nos impede a passagem, o Rei do Céu suprirá.” Pronunciando essas palavras, estendeu o manto sobre as ondas, tomou seu bordão, fez o sinal da cruz e pisou solidamente sobre o manto. Pediu a seu companheiro que o seguisse, fazendo a mesma coisa. Mas esse não teve coragem, e ficou.

O santo suspendeu a metade do manto para servir de vela e prendeu-a no bordão, como mastro. Um vento favorável o levou em pleno mar, enquanto os marinheiros que estavam por ali se entreolhavam pasmados. Seis horas depois ele chegava a Barcelona, tendo percorrido 53 léguas marítimas.

Ele desembarcou no porto, revestiu-se do seu manto, o qual estava seco, e tomando seu bordão dirigiu-se imediatamente para o convento. As portas do convento estavam fechadas, mas ele as atravessou e apareceu de repente no meio de seus irmãos e ajoelhou-se aos pés do Prior, para pedir-lhe a bênção. O Rei, informado do que se tinha passado, caiu em si mesmo e daí por diante seguiu mais fielmente as diretrizes de São Raimundo.

O fim da vida de um grande santo

São Raimundo chegou à extrema velhice, sem nenhuma outra doença a não ser a muita idade. Ele dormiu suavemente nos braços do Senhor no dia 6 de janeiro — festa da Epifania — de 1275.

Nos seus últimos momentos, os Reis de Castela e Aragão o visitaram com suas cortes, e tiveram a alegria de receber a sua última bênção.

O Reino de Maria não é um sonho

O triunfo do Imaculado Coração de Maria, ou seja, da mentalidade da Mãe de Deus, significa que virá uma época, na qual, muito mais do que na nossa, os santos vão dirigir a humanidade.

Nossa Senhora a governará através de seus santos; porque eles vão influenciar os Reis, os Papas, os grandes e pequenos desta Terra, e levar a todos para Deus. Será o Reino de Maria.

Texto extraído, com adaptações, da revista Dr Plinio n.166, janeiro 2012.

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas