Gaudium news > São Joaquin e Sant’Ana: pais da Rainha do Universo

São Joaquin e Sant’Ana: pais da Rainha do Universo

Os dois receberam o mais alto fruto e o completo cumprimento da benção de Abraão, isto é, a benção para a concepção imaculada da Santíssima Virgem que deveria esmagar a cabeça da serpente

Redação (26/07/2021 09:32, Gaudium Press) A Igreja dedica o dia 26 de julho à memória dos santos pais da Virgem Maria e avós de Jesus: São Joaquim e Santa Ana.

Apesar de não ser mencionada nos quatro Evangelhos canônicos, a história deste santo casal nos chegou através de três fontes principais: os evangelhos apócrifos “Protoevangelho de Tiago”, “Evangelho do pseudo-Mateus” e “Evangelho da Infância”; além de antigas tradições dos cristãos.[1]

Se Bossuet dizia que “grandes homens se formam nos joelhos de suas mães”; podemos então imaginar com que cuidado Deus se encarregou de preparar à mais santa de todas as criaturas pais que lhe pudessem formar dignamente, servindo de exemplo de virtude à Rainha dos Anjos logo em seus primeiros momentos de vida.

Joaquim e Ana nas visões de Anna Catarina Emmerick

As visões de Anna Catharina Emmerick – beata alemã que viveu entre os séculos XVIII e XIX, e cuja vida foi pontuada por diversas revelações e experiências sobrenaturais – são muito eloquentes, e nos ajudam a compreender mais a fundo a personalidade destes dois santos.

Primeiramente, a beata descreve o temperamento daqueles que tiveram a graça inefável de se tornarem os avós do Messias: “Havia algo bastante distinto neles (…), embora não notassem, possuíam uma seriedade maravilhosa. Raramente os vi rindo, mas certamente não eram tristes (…). Tinham um temperamento sereno e tranquilo, e mesmo em seus tempos de juventude pareciam pessoas maduras e sóbrias.”[2]

A história que nos chega pelos apócrifos e pela tradição parece se mesclar com as revelações de Anna Catarina Emmerick; mas ela descreve outros aspectos e pormenores belíssimos da história de Joaquim e Ana, como o das revelações que ambos tiveram sobre o nascimento providencial de um filho, já na ancianidade e esterilidade do matrimônio. Em certa ocasião, narra ela, um anjo apareceu a São Joaquim para lhe anunciar que “sua infertilidade não era uma desgraça para ele, mas ao contrário, uma honra, por causa da criança que sua esposa estava por conceber e seria o fruto imaculado da benção de Abraão.”[3] Do mesmo modo a Sant’Ana também foi concedida uma visão sobrenatural: “Vi uma luz brilhante descer sobre ela, e ao se aproximar de sua cama transformar-se na figura de um jovem resplandecente. Era o Anjo do Senhor que disse que ela conceberia uma santa criança; estendendo sua mão sobre ela, ele escreveu letras brilhantes na parede que formavam o nome MARIA.”[4]

Os dois receberam, assim, “o mais alto fruto e o completo cumprimento da benção de Abraão, isto é, a benção para a concepção imaculada da Santíssima Virgem que deveria esmagar a cabeça da serpente,”[5] e foram privilegiados com uma graça ímpar em toda a história: “a concepção de Maria foi tão pura quanto todas as concepções teriam sido não fosse pela queda, pois a Santíssima Virgem foi concebida por seus pais em santa obediência e completa pureza de coração. Deste dia em diante, eles viveram em continência na mais alta devoção e temor a Deus.”

E a Beata conclui: “Ao mesmo tempo [em que recebi esta revelação,] fui instruída sobre quão incomensurável a santidade das crianças é estimulada pela pureza, castidade e continência de seus pais e pela sua resistência a todas as tentações impuras; e como a continência pós-concepção preserva o fruto do ventre materno de muitos impulsos pecaminosos.”[6]

A vida dos Pais de Maria constitui, pois, um exemplo admirável de pureza, seriedade no cumprimento dos deveres e, sobretudo, resignação à vontade de Deus para o pais de hoje: aqueles que tem a árdua missão de educar seus filhos em um mundo tão perigoso e nocivo à inocência de suas almas. Indispensável é que, ao menos no lar, estes possam encontrar verdadeiros exemplos de retidão e integridade.

Por João Paulo Bueno


[1] Cf. ROHRBACHER. Vidas dos Santos. São Paulo: Américas, v. XIII, p. 362.

[2]ANNA CATHARINA EMMERICH. Santíssima Virgem Maria. São Paulo: MIR, 2004, 2 ed. p. 35.

[3] Id. p. 49.

[4] Id. p. 44.

[5] Cf. Id. p. 52.

[6] Id. p.55.

Cf. MARTYROLOGIUM ROMANUM. Editio altera. Città del Vaticano: L.E.V., 2004, p. 413.

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas