Gaudium news > São João Maria Vianney: para se admirar e tomar como modelo

São João Maria Vianney: para se admirar e tomar como modelo

São João Maria Vianney foi santo, taumaturgo, grande pregador e verdadeiro pastor de seu rebanho. No entanto, seu perfil moral jamais estaria completo se ignorássemos outros predicados que especialmente brilharam ao longo de sua vida: perseguido, difamado e caluniado. E por quê? Íntegro, buscou o bem das almas.

Redação (02/08/2020 15:18, Gaudium Press) Nascido em 8 de maio de 1786, na pequena aldeia francesa de Dardilly, João Batista Maria Vianney foi, sem dúvida, um grande santo, e, por isso mesmo, motivo de grande ódio por parte do demônio.[1]

Desde pequeno, o jovem João dava mostras de uma profunda piedade, preferindo uma imagem de Nossa Senhora a qualquer brinquedo. Ao passar pelo celeiro, era comum vê-lo rezando neste local, quando possuía apenas quatro anos.

Após seus penosos estudos, pois não lhe era fácil tal encargo, João Batista foi ordenado e enviado como coadjutor na paróquia de Balley. Mas com a morte do pároco deste local, sua missão é encetada no pequeno e, quiçá, menos importante vilarejo francês: Ars.

Afetados profundamente pela recente Revolução, esses paroquianos de Ars já haviam sido pervertidos gravemente em seus costumes e, privados por longo tempo da formação religiosa, abandonaram a fé. Pois é justamente contra essa depravação moral que São João teria de combater.

Sermões, confissões, milagres, exorcismos e, sobretudo, uma integridade moral ilibada, tudo isso atraía multidões para aquela pequena cidadezinha francesa. Contudo, se muitos o veneravam, não poucos o odiavam…

O demônio passou a atormentá-lo à noite com espécies de aparições diabólicas. Porém, como isso não obtivesse resultado — pois só servia para aumento do mérito do santo — as forças infernais empregaram outro método.

Párocos de aldeias vizinhas começaram a ter tanta inveja da grande fama que ele possuía que negavam a seus fiéis a absolvição, caso estes fossem estar com o Cura d’Ars. E, colocando-se em acordo, enviaram ao bispo denúncias feitas a João, tais como: “Não tem conhecimentos teológicos suficientes para entrar em um confessionário”; as “pessoas não se convertem em contato com ele”; e outras difamações.

Entretanto, Dom Alexandre-Raymond Devie, Bispo de Belley naquela época, estava convicto da virtude de São João Maria Vianney, e, apenas para confirmar o que já lhe era conhecido, mandou alguns de seus auxiliares a Ars. Os comissários “voltaram tontos de admiração”[2], dizendo: “Meus senhores, é um santo, um santo que devemos admirar e tomar como modelo.”[3]

Com efeito, face à integridade de São João Maria Vianney a mentira de alguns, por mais que se multiplicassem as difamações e calúnias contra ele, nada pôde diante dessa verdade ilibada e cristalina

Certamente a Providência continuará a enviar modelos a serem seguidos pelos verdadeiros cristãos, mister nestes tempos incertos e calamitosos em que vivemos, como excelentemente o foi em seu século Cura d’Ars, um exemplo e padroeiro dos sacerdotes.

Por Thiago Cunha

[1] Os dados narrados a seguir foram extraídos das obras: GHÉON, Henri. O Cura d’Ars. 2 ed. São Paulo: Quadrante, 1998; MONNIN, Alfred. Le Curé d’Ars. Vie de M. Jean-Baptiste-Maria Vianney. Paris: Charles Douniol, 1861, t. II. s.d.

[2] GHÉON, Henri. O Cura d’Ars. 2 ed. São Paulo: Quadrante, 1998, p. 109.

[3] Idem, p. 110.

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas

  • Padre Pio e seu Anjo da Guarda

    São Pio da Pietrelcina conversava, habitualmente, com o seu Anjo da Guarda. Redação (23 de setembro de 2020 10:49, Gaudium Press) Desde sua inf...

    Mais
  • Pelo menos... é batizado!

    Todos podem receber a mais alta das recompensas. De onde vem tão inapreciável benefício? Redação (23/09/2020 11:17, Gaudium Press) Há po...

    Mais