Gaudium news > São Hugo de Grenoble: o Santo que excomungou um imperador e um antipapa

São Hugo de Grenoble: o Santo que excomungou um imperador e um antipapa

A Liturgia Católica celebra neste dia 1º de abril a memória de São Hugo de Grenoble, Bispo que contribuiu para a fundação da Ordem dos Cartuxos.

Redação (01/04/2022 10:00, Gaudium Press) São Hugo nasceu no ano de 1053, em Château-Neuf, Delfinado, Diocese francesa de Valençe. Seu pai, Odilon, retirou-se na velhice para a Cartuxa, onde morreu com mais de cem anos. Já sua mãe, apesar de também desejar se retirar para um mosteiro de religiosas em sua velhice, acabou tendo que praticar a regra monástica em sua própria casa. Ambos receberam os últimos sacramentos das mãos do filho.

Ordenação sacerdotal e episcopal

Aos 28 anos foi nomeado cônego na cidade de Valence, sendo convidado por seu Bispo para que o acompanhasse durante o Concílio de Avignon, de 1080. Na ocasião, os Bispos lhe aconselharam que Hugo fosse ordenado sacerdote e que assumisse a Diocese de Grenoble.

Apesar da oposição, imposta pelo próprio Santo, que se julgava indigno, ele acabou cedendo. Logo depois recebeu a sagração episcopal em Roma, das mãos do Papa Papa Gregório VII, pois Hugo se negava ser sagrado Bispo pelo Arcebispo de Viena que era acusado de simonia.

Bispo de Grenoble: uma Diocese em situação desastrosa

Chegando a Grenoble, São Hugo encontrou um povo indócil e ignorante, um clero simoníaco, sacerdotes escandalosos, leigos usurários e usurpadores dos bens da igreja. Era um vasto campo para seu zelo e ele trabalhou com coragem no sentido de acabar com tais escândalos.

Mas, o fruto não correspondia aos seus esforços. Então, depois de dois anos, ele deixou o bispado retirando-se para o mosteiro de La Chaise-Dieu, onde tomou o hábito de monge. Nesse Mosteiro ele permaneceu apenas um ano, pois o Papa São Gregório VII, sabendo de sua retirada, lhe ordenou que voltasse à sua igreja. Hugo obedeceu.

O sonho de São Hugo e seu lado pregador

Não fazia ainda três anos que havia voltado para a Diocese, quando teve um sonho misterioso. Parecia-lhe que Deus construía uma habitação em um deserto de sua Diocese e que sete estrelas lhe indicavam o caminho. Ainda no sonho, Hugo viu chegar a sua presença sete homens que procuravam um lugar apropriado para a vida solitária: Eram São Bruno e seus companheiros. São Hugo reconheceu neles as sete estrelas e os conduziu à solidão da Cartuxa, a mesma que havia visto em sonho. Era o ano de 1084 quando lá foi construído o mosteiro.

Apesar dos males quase contínuos do estômago, e da cabeça que o afligiram durante quarenta anos, não cessou de pregar a palavra de Deus ao povo. Mas não procurava, em absoluto, dizer o que podia causar-lhe aplausos dos ouvintes. Propunha-se apenas instruí-los e comovê-los, o que conseguia com êxito, pois, após o sermão, grande número de pecadores o procuravam para confessar-se. Alguns chegavam a confessar publicamente os pecados.

Excomunhão do imperador Henrique V

Quanto mais o Bispo de Grenoble se mostrava santo, mais defendia a Igreja romana. Em 1106, o imperador Henrique V procurou, com violências, arrancar ao Papa Pascoal II um privilégio injusto. Os bispos da província de Vienne, movidos pelo santo colega de Grenoble, excomungaram-no publicamente, em um concílio.

Os anos não enfraqueceram o vigor episcopal. Após a eleição do Papa Inocêncio II e antes que seus núncios chegassem à França para condenarem o cisma do Antipapa, o santo bispo de Grenoble se dirigiu a Puy em Velai, com outros bispos, não obstante as doenças de sua idade avançada – tinha setenta e oito anos.

Excomunhão do Antipapa Anacleto

Sabia com certeza que Pedro de Léon não fora eleito Papa por seu mérito, mas pelo prestígio da família e pela violência. Não tendo em vista senão a justiça e o bem da igreja, excomungou-o nesse concílio, com os demais bispos, como cismático. E essa excomunhão foi de grande peso, dada a autoridade de São Hugo.

A excomunhão do Antipapa Anacleto foi a última atitude memorável do santo bispo de Grenoble. As doenças aumentaram de dia para dia e o obrigaram a permanecer na cama durante muito tempo, antes de morrer. Todos os dias recitava de cor os salmos com os clérigos. São Hugo faleceu com quase 80 anos, em 1º de abril de 1132. O Papa Inocêncio II o declarou santo dois anos depois de sua morte. (EPC)

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas