Gaudium news > Santo Hilário de Poitiers

Santo Hilário de Poitiers

A Igreja celebra hoje, dia 13 de janeiro, a memória de Santo Hilário de Poitiers; um santo suscitado pelo Senhor para prover suas ovelhas e seu rebanho de águas puras e límpidas. De tempos em tempos, Deus, sem esquecer seu povo, purifica sua doutrina através de intelectuais santos.  

Redação (13/01/2022 09:46, Gaudium Press) Santo Hilário nasceu pagão, de família rica, e aprofundou-se em estudos de filosofia. Mas, diante das Sagradas Escrituras, achou tesouros de verdade que o tocaram no fundo da alma.

Assim, aos 30 anos, Santo Hilário pede o batismo para si, sua esposa e filha, que entram com ele no rebanho santo. Dessa esposa sabemos que, após Santo Hilário ser ordenado bispo, entrou em um convento e de sua filha as atas contam que o próprio Santo de Poitiers oficializou o matrimônio, anos depois de sua sagração.

Lindo exemplo de santidade familiar.

Mas o santo não se definiu pela sua atuação somente como prelado. Ele se destacou como um ilustre escritor e combatente do arianismo.

Para entendermos o alcance dos atos de Santo Hilário, vejamos no que consistia a heresia de Ario.

Ario: negador da divindade de Cristo

A Igreja de Deus, no século IV, em meados dos anos 350, sofria uma intensa pressão doutrinária. Isto porque os imperadores Auxêncio e Constâncio, maiores autoridades civis, eram declaradamente a favor de Ario.

O arianismo negava a divindade de Cristo. Para eles, Jesus foi um homem muito abençoado, mas não era da mesma natureza que Deus Pai, ou seja, não era divino. Essa ideia é horrível, pois torna toda a obra de Cristo inútil. Se Jesus não é um com Deus, sua morte na Cruz não faz sentido, pois não alcança o perdão.

Mas os seguidores do arianismo eram sutis, maldosos. Não falavam abertamente dessas coisas, e suas palavras eram enganadoras.

Por isso o santo, que tinha ótimos estudos e profundo discernimento, se opôs a ele. O Bispo de Poitiers explicava ao povo simples, sem instrução, a verdadeira doutrina.

Os ardilosos, descobertos pela lógica do santo, ficaram furiosos. Até mesmo outros bispos, mentirosos e de vida depravada, pediram o exílio do santo, pois se sentiam cobrados ao ver a santidade e integridade de Santo Hilário.

Santo Hilário torna-se um farol também no Oriente

Assim, começa no Oriente a vida do santo que deixa Poitiers, uma cidade da França. Porém, ao invés de se submeter ao anonimato vergonhoso, que era o desejo dos inimigos, Santo Hilário se enche de brio e se aprofunda ainda mais na Palavra de Deus.

Ele completou duas obras que iniciara em Poitiers e atacou o imperador romano do Oriente mostrando seu erro e sua perversidade. Tornou-se, assim, o novo pregador que defende a unidade de Cristo com Deus, Pai e Filho, uma mesma natureza, e também conquista a inimizade dos outros bispos que, preguiçosamente, “permitiam” o arianismo em suas dioceses.

O Santo de Poitiers retorna a casa

Santo Hilário é “exilado” de seu exílio, ou seja, obrigam-no a voltar a Poitiers. Ele volta triunfante, feliz de ter incomodado tanto os inimigos da Igreja. Mas sua atuação não para por aí: entra em discórdia com um bispo italiano também ariano, que no final é derrubado pelo povo cristão, insatisfeito de ver um herege como pastor.

Mas a discórdia o fez novamente ser visto com maus olhos, e ele ficou preso  em Poitiers: não podia sair da cidade. Ali Santo Hilário tornou-se um farol de santidade, sendo consultado constantemente e compondo ainda mais obras.

Em 367, com um pouco mais de 50 anos, o santo de Poitiers falece, e os fiéis já se aproximavam de seu túmulo com respeito e carinho.

Que a luz que Santo Hilário nos apresentou guie nossos passos rumo à santidade e integridade de vida.

Com informações Arautos.org.

 

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas