Gaudium news > Quem poderá nos salvar?

Quem poderá nos salvar?

Bombardeios aéreos, potentes cargas de explosivos nas pontes do Rio Tibre, dois mil tanques prontos para o assalto, iminência de arrasadores combates nas ruas, tudo pressagiava a total destruição da Cidade dos Mártires e dos Santos…

Redação (20/09/2020 11:23, Gaudium Press) Detentora de uma fabulosa história que abarca quase três milênios, Roma já conheceu tudo quanto uma cidade poderia presenciar. Desde pequena aldeia às margens do Tibre até imponente capital de um vastíssimo império, viveu dias de fausto e poder incalculáveis, e períodos de triste decadência seguidos de radioso renascimento. Sobranceira, ela sofreu assédios, incêndios, invasões, pestes, e a tudo isso sobreviveu, recebendo com propriedade o título de “Cidade Eterna”. Contudo, no início de 1944, para muitos aquela longeva história parecia inexoravelmente ter chegado ao fim.

Sob o domínio estrangeiro

Como outras vezes acontecera no passado, a cidade estava vivendo sob o domínio estrangeiro, ocupada por forças alemãs desde setembro de 1943. O solo romano já havia experimentado o tremendo impacto dos bombardeios aéreos, como o que arrasou o bairro de São Lourenço em 19 de julho de 1943, fazendo centenas de vítimas. Embora, em fins de janeiro de 1944, tivessem desembarcado em Anzio as Forças Aliadas, estas avançavam com enervante lentidão.

Perspectivas de iminente destruição

Em maio desse ano, na previsão de futuras operações militares de grande envergadura na Europa, a conquista de Roma tornou-se um objetivo de máxima importância para os Aliados. Na noite de 11 para 12, começou a grande batalha. A 120 quilômetros da cidade, na região de Montecassino, 650 canhões do 13º Corpo do Exército Inglês iniciaram um bombardeio contra um importante contingente alemão ali aquartelado, em consequência do qual a multissecular abadia ficou reduzida a escombros. Logo depois, começou a mover-se o 5º Exército norte-americano. A notícia desse primeiro lance causou não pequeno aumento do temor em Roma: seria este um prelúdio do que aconteceria com a Cidade Eterna?

Os acontecimentos pareciam indicar que sim. Em 4 de junho, tudo pressagiava o início de um duro combate. Dispostos a uma forte resistência, os alemães tinham instalado potentes cargas de explosivos em todas as pontes do Rio Tibre, para destruí-las caso tivessem de bater em retirada. De outro lado, o general britânico Harold George Alexander decidiu lançar seus dois mil carros de combate no assalto à cidade.

Tudo pressagiava uma luta casa a casa, palmo a palmo, altamente arrasadora, como acontecera já em outras localidades europeias. Essa terrível perspectiva angustiava todos os romanos.

O voto da cidade de Roma

Em circunstâncias como essa, os homens se lembram mais facilmente de recorrer ao auxílio divino. Foi nesse quadro de tragédia que o Papa Pio XII convidou o povo a fazer um voto, pedindo que a cidade fosse salva da destruição. Encontrava-se então em peregrinação por várias igrejas de Roma a milagrosa imagem de Nossa Senhora do Divino Amor, muito venerada pelos romanos desde o século XII. Nesse ameaçador dia 4 de junho, na Igreja de Santo Inácio, foi feito solenemente um voto pelo qual o povo de Roma Lhe prometia: “corrigir e melhorar sua conduta moral, para tornar sua vida mais conforme à de Nosso Senhor Jesus Cristo”; construir um novo santuário e iniciar uma obra de caridade em sua honra.

Quase ao mesmo tempo, uma misteriosa mensagem de Hitler cancelou a ordem de resistência, e o exército alemão retirou-se da cidade, na qual entraram pouco depois as Forças Aliadas, aclamadas por uma multidão exultante de incontida alegria. Esse desfecho foi tão surpreendente que o próprio Primeiro Ministro britânico, Winston Churchill, afirmou: “A conquista de Roma se deu de modo completamente imprevisto”.

Do alto dos Céus, a solícita Mãe de Deus havia atendido às preces de seus aflitos filhos, e a cidade foi liberada sem o derramamento de uma gota de sangue sequer!

“Salvadora de Roma”

Uma semana depois, o Papa Pio XII reuniu-se com os fiéis para uma prece de gratidão, e nessa oportunidade atribuiu a Nossa Senhora do Divino Amor o título de “Salvadora de Roma”.

“Nós olhamos para Ti, Mãe do Divino Amor, esperando por Ti, por tua materna intercessão, a nossa salvação. (…) Guarda a tua Roma!”

Décadas mais tarde, em lº de maio de 1979, o Papa João Paulo II visitou o Santuário de Nossa Senhora do Divino Amor e o definiu como “o Santuário Mariano de Roma”.

Intercessão infalível de Maria Santíssima

Hoje, não é apenas uma cidade que corre perigo, mas o mundo inteiro. De fato, um vírus mortal se espalhou por todas as partes; enchentes, incêndios, furacões e perseguições religiosas ceifam a vida de milhões de pessoas. Quão necessária é a intercessão de Maria para obter a paz que a humanidade deseja! No entanto, será que as pessoas estão dispostas a mudar  de vida, amar a Deus sobre todas as coisas e fazer penitência para que esta solícita Mãe venha em nosso socorro? Não é verdade que Nossa Senhora tem vertido lágrimas, como Mãe bondosíssima e aflita,  implorando  a conversão da humanidade para, assim, aplacar a cólera de Seu Divino Filho por tantos pecados? E que, em Fátima, Ela disse: “Por fim, meu imaculado Coração triunfará?”.

Voltemos confiantes os olhos para Nossa Senhora, na certeza de que Ela nos salvará, protegerá e alcançará a purificação da humanidade para que seja instaurado Seu Reino aqui na Terra o quanto antes.

Artigo, extraído, com adaptações, da revista Arautos do Evangelho n.54 junho 2006. Pe. José Francisco Hernández, EP

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas