Gaudium news > O regresso da União Soviética ateia

O regresso da União Soviética ateia

“Os sacerdotes podem ser presos se usarem palavras erradas nas homilias”.

Redação (10/03/2022 16:57, Gaudium Press) Em uma entrevista ao site de notícias católicas, Catholic News Service, um professor russo católico, que pediu para não ser identificado, declarou que o clero russo teme ser preso se questionar a guerra contra a Ucrânia e alertou que a Igreja agora enfrenta uma “nova era de silêncio”.

“Orações por um cessar-fogo imediato estão sendo feitas nas paróquias, mas os sacerdotes não podem mais falar publicamente. Estamos de volta a uma situação muito parecida com a União Soviética ateia, quando um sacerdote tinha de ligar o rádio ou a TV para não ser ouvido pelos serviços especiais. Os sacerdotes não querem prejudicar a comunidade católica ou serem presos e suas igrejas fechadas”.

O governo russo proíbe todas as notícias e informações não oficiais. As emendas ao Código Penal, aprovadas em 4 de março pela Duma russa, permitem multas pesadas e até 15 anos de prisão pela “divulgação pública de ‘fake News’ sobre o uso das forças armadas da Rússia”. Diversos meios de comunicação já foram fechados.

O professor explicou que muitos católicos têm amigos e familiares na Ucrânia e estão bem informados sobre os eventos, mas acrescentou que os sacerdotes podem ser presos se usarem palavras erradas nas homilias.

“A maioria dos católicos conhecem o ensinamento social da Igreja para diferenciar entre uma guerra justa e uma guerra agressiva”, afirmou. E muitos deles estão compensando as reticências de seu clero falando claramente.

Ressaltou também que os bispos católicos da Rússia, para não prejudicar e evitar “possíveis perseguições”, proibiram a publicação da mensagem do Papa no Angelus, de 6 de março, na qual ele descreve a ofensiva russa como “não apenas uma operação militar, mas uma guerra semeando a morte”.

 “A esfera pública da Rússia pode facilmente identificar os católicos. É por isso que ninguém está culpando nosso clero por não levantar a voz, como o ensino católico exigiria. As gerações que viveram o comunismo entendem especialmente a necessidade de cautela.”

O professor acrescentou que muitos católicos estão deixando a Rússia para evitar uma temida repressão militar e um possível alistamento militar.

“Muitas pessoas esperam uma nova Cortina de Ferro, fechando nossas fronteiras e cortando nosso acesso ao mundo. Embora a polícia esteja ocupada com outras tarefas agora, em breve eles poderão se voltar contra nós. Nossa igreja agora pode estar enfrentando uma nova era de silêncio”.

 

 

 

 

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas