Gaudium news > O que há em comum entre um carpinteiro, uma milionária e um jogador de futebol?

O que há em comum entre um carpinteiro, uma milionária e um jogador de futebol?

Por mais sucesso que um ser humano faça, e por mais livros que se escrevam sobre ele, sua lembrança passa.  

Redação (21/02/2022 11:04, Gaudium Press) Há muitos homens que se destacam por suas biografias, por sua história de vida, pelo bom desempenho que obtiveram em áreas relevantes, sucesso financeiro, exemplos de superação, extraordinárias conquistas esportivas, contribuições científicas, talento nas artes. Fora as exceções de grandes ditadores e tiranos que sobressaíram pelo mal que praticaram, a ponto de ganhar registro em páginas de livros, não se dá destaque para as histórias de fracasso. O que fica marcado e tem amplo alcance são as histórias de sucesso.

No entanto, por mais sucesso que um ser humano faça, e por mais livros que se escrevam sobre ele, isso passa. Com efeito, quem sabe, hoje, com quem Napoleão Bonaparte foi casado, quantos filhos teve, que guerras venceu, de quem era filho, onde e como vivia? O mesmo se dá com reis, rainhas, ídolos e heróis de todos os tempos. Vivem, vencem, se destacam, são aclamados, seguidos por algum tempo, partem e têm como herança o ostracismo e o esquecimento.

O carpinteiro

Temos, porém, um personagem que, sem fazer esforço, sem realizar grandes conquistas e praticar grandes feitos, sem nem mesmo empreender viagens para fora de sua terra e sem conquistar muitos bens, teve o poder de dividir a história ao meio: ou se viveu antes dele, ou depois dele.

O interessante desse personagem é que, entre todos os seres humanos que foram biografados, provavelmente, dele se sabe menos do que sobre qualquer outro, mas, também, dele se sabe tudo e o tempo não alterou uma vírgula sequer, não mudou um passo, uma nuance.

De tudo o que escreveram sobre ele – e ainda se escreve muito – há uma afirmação que parece ser a mais completa: a de que ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente. E isso, tanto é verdade que, sem ter ainda mencionado o seu nome e nem usado letras maiúsculas para me referir a ele, todos os que me leem sabem exatamente a quem me refiro.

Qualquer leve menção à sua vida já suscita em quem lê a compreensão de que se fala de Jesus Cristo.

Quando lemos uma biografia, encontramos ali de tudo e até dados desnecessários e irrelevantes. Porém, sobre Jesus, antes do seu batismo, o que sabemos além das circunstâncias em que ele veio ao mundo e um breve incidente ocorrido aos seus 12 anos? Depois, sem que se tenha notícia alguma do que ocorreu durante trinta anos, ele aparece e muda a história da humanidade.

Para desenvolver o raciocínio a que me proponho, resumirei esses trinta anos ocultos à profissão que ele aprendeu com o pai e que, provavelmente, exerceu: a de carpinteiro. Agora, vamos fazer uma viagem no tempo e no espaço.

Phil Mulryne

Final da década de 1990. Com 1,75m, 72kg, excelente forma física e forte desejo de ser campeão, vestindo a camisa do Manchester United Football Club, entra em campo o meia Phil Mulryne, realizando o sonho de ter como colega de equipe o ídolo David Beckham, considerado um dos melhores jogadores do mundo. O jovem jogador irlandês era um dos “diabos vermelhos”, alcunha dos jogadores do Manchester, principal time da Inglaterra e um dos mais famosos do mundo.

Além de esporte, futebol é um negócio e, em março de 1999, o promissor Phillip Mulryne deixa o Manchester e assina contrato com o Norwich City, um time menor, mas com um salário bem mais atraente: 500 mil libras (700 mil dólares) por ano. Ao longo de sua carreira, disputou 205 partidas, 27 das quais pela Seleção da Irlanda do Norte, marcando um total de 23 gols.

Era o típico jogador de futebol com um futuro promissor: dinheiro, fama, sucesso, namoro com uma modelo famosa. No entanto, parecia que algo não ia bem nos planos traçados para a vida do jovem astro da bola. Logo após o início da temporada 1999-2000, Mulryne quebrou a perna no confronto com um jogador do time adversário durante uma partida, o que o deixou fora de campo por um bom tempo.

Após a recuperação, nos anos seguintes, permaneceu como um jogador mediano, voltando a ter destaque nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2006, quando foi expulso da seleção irlandesa, às vésperas de uma partida contra a seleção da Inglaterra, por ter fugido da concentração para passar a noite bebendo em um bar de Belfast. Começava aí a decadência de sua carreira como atleta, que encerraria em 2008, jogando em um time inglês da quinta divisão.

Ann Miller

Agora, vamos nos deslocar da Irlanda do Norte para os Estados Unidos e voltar mais alguns anos no tempo. Estamos em 1928 e a casa do próspero presidente da Southern Pacific Railroad, empresa que controla a importante ferrovia que liga São Diego a São Francisco, está em festa. Acaba de nascer a pequena Ann.

A menina cresceu cercada de todo conforto, luxo e muito mimo, mas algo naquela criança era diferente, ela acalentava um sonho secreto…

Aos 20 anos, Ann casou-se com Richard Miller, vice-presidente da Pacific Gas and Eletric. De menina rica passou a socialite famosa e sua vida continuou cercada de luxo e glamour. Ann e Richard formavam um casal apaixonado, que se dava muito bem. Foram pais de dez filhos.

A rotina de Ann Miller – se é que se possa chamar isso de rotina – era constituída por festas, férias em estações de esqui, roupas de grife, joias, mansões, iates, escavações arqueológicas, viagens ao Mediterrâneo e tudo de mais requintado que se possa imaginar. Um dos filhos a definiu como “uma mulher que tinha um milhão de amigos, fumava, bebia e jogava cartas. Tornou-se mergulhadora em águas abertas e dirigia tão rápido e imprudentemente que as pessoas saíam do carro dela com o pé dolorido de tanto pisar no freio imaginário”.

A Sra. Miller foi alguém que viveu a vida intensamente, usufruindo de todos os prazeres que o dinheiro pode proporcionar. Ficou viúva em 1984 e, logo após a morte do marido, sua vida sofreu uma grande transformação. Parou abruptamente de fumar e de consumir álcool e cafeína.

Em 1989, ao completar 61 anos, decidiu fazer uma festa luxuosíssima, para 800 convidados, no salão de festas do Hotel Hilton, em São Francisco. Naquela noite memorável, Ann Miller faria uma revelação bombástica que pegaria a todos de surpresa. Com seu jeito alegre e contagiante, a milionária comunicou a todos que a sua vida chegava ao fim…

O laço que os une

O que há em comum entre aquele humilde carpinteiro da Galileia, o ambicioso jogador de futebol irlandês e a milionária Ann Miller? Em comum, eles têm o chamado, também conhecido como vocação. O Mestre os chamou; o jogador e a socialite atenderam ao chamado.

Em 2008, o jovem irlandês encerrava a sua carreira de jogador de futebol, mas, onde terminava a carreira do homem, iniciava-se o plano de Deus… Em 2009, aos 31 anos, Phillip Patrick Stephen Mulryne entrava em um seminário em Belfast. Em setembro de 2016, ele fez a profissão dos votos de pobreza, obediência e castidade na Ordem Dominicana, sendo ordenado sacerdote no dia 8 de julho de 2017, aos 39 anos, na Igreja de St. Saviour, em Dublin.

Após celebrar a sua primeira Missa, o Pe. Phillip Mulryne lembrou a inquietação que sentia, a busca que fazia, e disse que a sua vida só se preencheu ao responder o chamado de Deus, que foi transformado pela graça e que o seu único objetivo era ser completamente de Deus.

Em São Francisco, quando, durante a luxuosa festa, a elegante matrona pediu silêncio, pois queria fazer um comunicado, todos ficaram apreensivos. Ela disse: “Os primeiros dois terços da minha vida foram dedicados ao mundo. Vida própria e filhos tomaram conta dos meus primeiros e segundos 30 anos de vida. O último terço será dedicado à minha alma.”

Ainda sem entender aonde ela pretendia chegar, seus amigos e familiares ficaram ainda mais estupefatos quando ela explicou que pedira a Deus mais um terço, ou seja, mais 30 anos de vida, e que os dedicaria a realizar o seu sonho de infância; aquela era uma festa de despedida, pois ela tinha decidido entrar para o Carmelo e concluiu dizendo que o último terço de sua vida pertenceria a Deus.

No dia seguinte, entrou para o Convento das Irmãs de Nossa Senhora do Monte Carmelo, em Des Plaines, Illinois. Como carmelita, tornou-se a Irmã Mary Joseph, fez votos de silêncio, solidão e pobreza, passando a dormir sobre uma prancha de madeira com um colchão finíssimo. Sem dúvida, o seu sonho de menina era muito importante para Deus, tanto que ele acatou o seu pedido e lhe deu mais 31 anos de vida, os quais ela dedicou completamente a Ele. Irmã Mary Joseph faleceu aos 92 anos, no dia 6 de junho de 2021.

O convite

Essas duas trajetórias, nos dias atuais, podem parecer incomuns, mas, na história dos santos, encontramos muitos que abandonaram o luxo e as riquezas para se dedicarem à vida religiosa. O importante é estarmos atentos para o que Deus quer de nós e ouvirmos a sua voz, que, muitas vezes, vem na brisa. Há uma música que eu ouvia nas Missas, quando criança, que dizia: “Se ouvires a voz do vento, chamando sem cessar, se ouvires a voz do tempo, mandando esperar, a decisão é tua. São muitos os convidados, quase ninguém tem tempo. Se ouvires a voz de Deus, chamando sem cessar, se ouvires a voz do mundo, querendo te enganar, a decisão é tua.”

Como o próprio Carpinteiro disse: “Grande é a messe, mas poucos são os operários.” (Lc 10, 2) O jogador de futebol e a milionária conseguiram mudar as suas histórias e responder ao chamado divino, mas, quantos, surdos à voz de Deus, se deixam levar pelos apegos e ilusões do mundo e não atendem ao doce convite feito por aquele humilde Carpinteiro que construiu o Universo…

Afonso Pessoa

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas

  • O inalienável direito de existir

    Quando uma mãe se decide por matar o seu filho, ela não está apenas extraindo um aglomerado de células, uma massa amorfa ou um tumor de dentro d...

    Mais
  • Quem manda em casa sou eu!

    A boa educação é um bem inestimável, um valor que dinheiro nenhum paga e, quem a recebe, pode se dizer bem-aventurado. Redação (21/06/20...

    Mais