Gaudium news > O preço de um resgate

O preço de um resgate

Em um determinado momento de nossas vidas, Deus nos pede um “absurdo”, exigindo que tenhamos fé e certeza na vitória do bem em meio às tormentas.

Redação (21/01/2021 15:10, Gaudium Press) Se a pessoa não aceita bem as disposições de Deus, é levada a julgá-Lo com parâmetros humanos e a achar que Ele age por capricho, criando, assim, uma barreira irremediável em suas relações com o mundo sobrenatural.

Vejamos uma história na qual um pai de família, posto no terrível dilema de escolher entre salvar a vida de seu próprio filho, ou deixá-lo morrer afogado e salvar a de um estranho, tomou uma decisão heroica. Qual foi o resultado?

Era domingo, terminara a Missa. O zeloso sacerdote, muito estimado pelos seus paroquianos, convidou para vir à frente um ancião de aspecto venerável.

Este, após os costumeiros cumprimentos iniciais, disse-lhes:

“Eu quero contar-lhes um fato ocorrido há vários anos, a fim de tirarmos uma lição. Tenho certeza de que todos gostarão de ouvir esta narração.

“Um pai de família, seu filho adolescente e um amigo deste navegavam num barco pelo mar quando foram surpreendidos por violenta tempestade.

“Marinheiro experimentado, o pai tratou de regressar logo à praia. Mas era tarde… As ondas eram tão violentas que em pouco tempo ele perdeu o controle da embarcação.

“Depois de quatro horas de intensa luta para se manter à tona, uma gigantesca onda varreu o frágil barco, arrastando para o mar os dois jovens. Já era noite.

“Sem tardança, o pai pegou a única boia de resgate que havia e teve de tomar a mais difícil decisão de sua vida: a qual dos dois jovens deveria ele lançar a boia?

“Não tinha mais que alguns instantes para decidir. Sabia ele que seu filho era católico praticante, sério cumpridor dos Mandamentos; mas que seu amigo, infelizmente, não o era.

“Maior que o ímpeto das ondas no mar era a angústia da decisão a tomar, no coração desse pai. Ele via os dois jovens a poucos metros um do outro e sabia bem que só conseguiria salvar um. Qual dos dois?!

“Foi, porém, curta sua hesitação. Com voz lancinante, bradou:

“‘Ouça-me, meu filho, você conhece o imenso amor que lhe tenho. Ponha-se nas mãos de Deus e recomende-se a Maria Santíssima!’ E atirou a boia para o outro, salvando-o.

Quanto ao filho, em poucos instantes desapareceu de sua vista, arrastado pelas ondas. Não se encontrou sequer seu cadáver.”

* * *

Considerando com serenidade a ansiosa expectativa de seus ouvintes, o ancião tirou a seguinte conclusão do comovente drama narrado:

“O pai sabia que seu filho, morrendo, iria para a eterna Bem-Aventurança com Nosso Senhor. Mas temia pelo destino do seu amigo, pois este trilhava na vida o mau caminho. Foi por isso que decidiu abandonar seu filho ao sabor das ondas, para salvar a vida do outro.

“Quão grande é o amor de Deus, que fez exatamente o mesmo por nós! Ele sacrificou seu Filho único para nossa salvação.

“Então, eu lhes suplico que façam sempre esta reflexão, sobre a oferta de resgate que Nosso Salvador oferece por todos os homens, todos os dias, no Sacramento da Eucaristia.

Agarrem-se a essa divina boia!”

* * *

Os assistentes retiraram-se aos poucos, em profundo silêncio. Na saída, um jovem que havia observado com especial atenção o velho homem ao longo de sua emocionante narrativa, aproximou-se dele e lhe perguntou:

— Foi uma bonita história que o senhor nos contou, e ela nos ajuda a compreender melhor o amor que Deus provou ter aos homens, entregando seu Divino Filho pela salvação de cada um de nós. Mas será que esse pai viu bem a realidade naquele trágico instante em que decidiu deixar morrer afogado seu filho, com a esperança de que o outro se convertesse? E o outro se converteu?

Expressando em sua fisionomia dor e, ao mesmo tempo, alegria, o homem respondeu com doçura:

— Compreendo o que você diz, meu caro jovem. Pode ser que ele não tivesse visto bem a realidade no angustiante momento de tomar aquela terrível decisão. É bem possível. Mas tenho algo mais a lhe dizer: é que esse pai sou eu, e o amigo de meu filho é o seu Pároco…

 

Texto extraído, com adaptações, da Revista Arautos do Evangelho n.26, fevereiro 2004.

 

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas