Gaudium news > Nicarágua: outro sacerdote católico proibido de entrar no país

Nicarágua: outro sacerdote católico proibido de entrar no país

Pe.  Guillermo Blandón voltava de viagem a Israel, mas foi notificado pelo Departamento de Imigração de que não poderia retornar à sua terra natal.

Redação (28/09/2022 12:26, Gaudium Press) O regime de Daniel Ortega e Rosario Murillo negou a entrada do Pe. Guillermo Blandón na Nicarágua. O pároco da Igreja de Santa Lucía, em Boaco retornava à sua terra natal após uma viagem por Israel, em um voo com escala em Miami, nos Estados Unidos.

A notícia foi dada através da página do Facebook da Paróquia Santa Lucía, pertencente à diocese de Granada:

 “A Paróquia Santa Lucía-Boaco comunica aos seus paroquianos que o Governo da Nicarágua negou a reentrada em seu país do nosso pároco, Pe. Guillermo Blandón. Pedimos suas orações para que Deus proteja nossos bispos, sacerdotes e sua Igreja”.

Também o bispo auxiliar de Manágua, Dom Silvio Báez, que está exilado desde 2019, destacou que o sacerdote foi notificado da situação quando estava prestes a embarcar em seu voo para Manágua.

“A ditadura da Nicarágua nega a entrada no paísde outro sacerdote nicaraguense. Acabei de falar com o Pe. Guillermo Blandón, pároco da Iglesia Sta. Lucía de Boaco, diocese de Granada. Ele vinha de Israel e no aeroporto de Miami disseram-lhe que não podia viajar”, ​​denunciou Monsenhor Báez através de suas redes sociais.

¡La dictadura de #Nicaragua niega la entrada al país a otro sacerdote nicaragüense! Acabo de hablar con el P. Guillermo Blandón, párroco de la Iglesia Sta. Lucía de Boaco, diócesis de Granada. Venia de Israel y en el aeropuerto de Miami le comunicaron que no podía viajar. pic.twitter.com/ALFUqBe3Z7

— Silvio José Báez (@silviojbaez) September 27, 2022

A Igreja Católica está sofrendo uma violenta perseguição por parte do regime de Ortega. Em 13 de setembro passado, o sacerdote nicaraguense Juan de Dios García, que voltava de Miami, EUA, depois de visitar sua família, também foi impedido de entrar no país. O governo mantém na prisão um bispo, seis padres e dois seminaristas.

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas