Gaudium news > Mianmar: Freira se ajoelha diante de militares e pede que poupem manifestantes

Mianmar: Freira se ajoelha diante de militares e pede que poupem manifestantes

A religiosa saiu às ruas da cidade de Myitkyina, capital do estado de Kachin, implorando aos militares que não atirassem nos jovens manifestantes que protestavam pacificamente.

Redação (02/03/2021 09:22, Gaudium Press) A imagem de uma freira ajoelhada diante de policiais em Mianmar chamou a atenção de muitos internautas no início desta semana ao ser compartilhada nas redes sociais pelo Arcebispo de Yangon, Cardeal Charles Maung Bo. Trata-se da Irmã Ann Nu Thawng, da Congregação de São Francisco Xavier.

No último domingo, 28 de fevereiro, a religiosa saiu às ruas da cidade de Myitkyina, capital do estado de Kachin, implorando aos militares que não atirassem nos jovens manifestantes que protestavam pacificamente.

Golpe militar em Mianmar

Desde o dia 1º de fevereiro o exército birmanês está no poder após um golpe militar no qual foi declarado “estado de emergência” de um ano. De acordo com dados das Nações Unidas, até o momento já foram mortas 18 pessoas e mais de 30 ficaram feridas nos confrontos.

Segundo Joseph Kung Za Hmung, editor do ‘Gloria News Journal’, o primeiro jornal online católico em Mianmar, “na área de Myitkyina, as manifestações até agora sempre foram pacíficas e sem incidentes. No entanto, episódios de violência de ontem correram o risco de precipitar a situação”.

Um modelo para os líderes da Igreja

“A ação da freira e a resposta da polícia que, ao ver o apelo da freira, parou, surpreendeu a muitos de nós. Mais de 100 manifestantes conseguiram encontrar abrigo em seu mosteiro. Isso os salvou de espancamentos brutais e prisões por parte da polícia”, afirmou Joseph Kung.

A ação corajosa da religiosa viralizou nas redes sociais e recebeu o elogio de muitos que não professam a religião católica. O jornalista ressalta que a Irmã Ann Nu Thawng é hoje “um modelo para os líderes da Igreja: Bispos e sacerdotes são chamados a sair da zona de conforto e seguir sua coragem como exemplo”. (EPC)

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas