Gaudium news > Juramento de novos guardas suíços é adiado por conta do coronavírus

Juramento de novos guardas suíços é adiado por conta do coronavírus

A cerimônia de juramento celebra o sacrifício de 147 guardas suíços mortos em combate em defesa do Papa Clemente VII durante o episódio histórico do Saque de Roma, em 1527.

Cidade do Vaticano (04/05/2020 17:00, Gaudium Press) Por conta da pandemia de coronavírus, o tradicional juramento dos novos guardas suíços, agendada para o próximo dia 6 de maio, foi transferido para o dia 4 de outubro.

A deposição da coroa, cerimônia na qual convidados de honra e familiares dos novos guardas costumam participar, será realizada de maneira privada e com limite de pessoas. Além disso, com o objetivo de evitar contágios de COVID-19, serão respeitadas as normas de higiene e segurança vigentes no Estado da Cidade do Vaticano.

Dom Edgar Peña Parra, substituto da Secretaria de Estado, presidirá uma Santa Missa que será celebrada na igreja de Santa Maria no Campo Teutônico, dentro do Vaticano, antes da deposição da coroa, na Praça dos Protomártires Romanos.

Ao término da Celebração Eucarística e da deposição da coroa, os guardas suíços presentes receberão uma condecoração por sua fidelidade no serviço ao Santo Padre e à Santa Sé. O evento será transmitido ao vivo através do site oficial da Guarda Suíça.

História do juramento

No dia 22 de janeiro de 1506 um grupo de soldados suíços chegou à Praça São Pedro, enviado pelo rei católico da Suíça, para proteger o Papa, que na época era Júlio II della Rovere. Assim se iniciou o serviço da Guarda Pontifícia até hoje prestado ao Pontífice e à Igreja.

A cerimônia de juramento celebra o sacrifício de 147 guardas suíços mortos em combate em defesa do Papa Clemente VII durante o episódio histórico do Saque de Roma, em 1527, pelas tropas do imperador Carlos V.

O imperador Carlos V, apesar de ser um monarca católico, detentor da coroa imperial do Sacro Império Romano Germânico e da coroa dos reinos espanhóis, iniciou uma guerra contra os Estados Pontifícios pela aliança do Papa com o rei da França, que ameaçava sua soberania nos reinos italianos. (EPC)

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas