Gaudium news > Índia: um “Dia de Luto” pelos 50 anos da lei do aborto

Índia: um “Dia de Luto” pelos 50 anos da lei do aborto

“Essa celebração do ‘Dia de Luto’ deve “expressar nossa dor pela matança de bebês indesejados”.

Redação (06/08/2021 14:45, Gaudium Press) No próximo dia 10 de agosto, a promulgação da lei do aborto na Índia fará 50 anos. Por esta razão, o Cardeal Oswald Gracias, arcebispo de Mumbai e presidente da Conferência dos Bispos Católicos da Índia, pediu a seus irmãos no episcopado para celebrar um “Dia de Luto”.

Para isso, ele encaminhou uma carta aos outros bispos indianos, na qual afirma que “em nosso país, depois dessa legislação […] não há sinais de desaceleração dessa tendência antivida”.

E para aumentar a conscientização da gravidade desses atentados à vida humana, essa celebração do “Dia de Luto” deve “expressar nossa dor pela matança de bebês indesejados”, para que “possamos promover uma mentalidade pró-vida em nossa sociedade”.

A Carta do Cardeal Gracias tem várias sugestões práticas do que se pode realizar nesse dia.

Apoios à iniciativa

“Deus é o Criador da vida. A vida é sagrada e preciosa aos olhos de Deus, por isso, a vida deve ser protegida e promovida desde o primeiro momento de sua existência, como dissemos, do útero ao túmulo”, declarou, por sua vez, o Bispo de Kalyan, Mons. Thomas Elavanal, explicando as razões que motivaram essa celebração do Dia de Luto.

“Qualquer intervenção médica deve ter o único propósito de salvar vidas”, assinalou Dr. Pascoal Carvalho, médico de Mumbai, membro da Pontifícia Academia para a Vida. “Chamar o aborto de intervenção médica é uma maneira sutil de disfarçar um ato horrendo em relação a uma pessoa indefesa.”

“Inicialmente, a Lei MTP [lei do aborto] permitia a interrupção da gravidez até 20 semanas”, explicou o Dr. Carvalho. Porém, “em março de 2021, quase 50 anos depois, a Emenda à Lei permite a interrupção da gravidez em até 24 semanas”.

“Desde o momento da concepção – sublinha Dr. Carvalho, ou seja, no primeiro dia de sua vida no útero, o feto é uma pessoa e tem os mesmos direitos que qualquer adulto.”

Com informações AsiaNews.

 

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas