Gaudium news > História de Santa Úrsula, padroeira das jovens e estudantes

História de Santa Úrsula, padroeira das jovens e estudantes

A Igreja celebra no dia de hoje, 21 de outubro, a memória de Santa Úrsula.

Redação (21/10/2021 09:55, Gaudium Press) Nascida no ano 362, Santa Úrsula era filha dos reis da Cornúbia, na Inglaterra. Apesar de ter feito um voto secreto de consagração total a Deus, seu pai aceitou a proposta de casamento feita pelo duque Conanus, um general de exército pagão.

A Santa ficou entristecida ao saber que seu pretendente era pagão, e quis recusar a proposta, pois ela havia sido educada nos princípios cristãos. Entretanto, era costume que se acatasse sempre a decisão do pai, foi então que Úrsula pediu um tempo para se preparar.

Viagem de núpcias

Esse período de preparação foi de três anos, e a Santa acreditava que durante esse tempo conseguiria encontrar algum meio de evitar este casamento ou até mesmo converter o general Conanus. Porém, não conseguiu nem uma coisa nem outra.

Seguindo o que havia sido combinado, ela partiu de navio pelo rio Reno para suas núpcias. A Santa estava acompanhada de outras onze jovens virgens que se casariam com onze soldados do duque Conanus.

Átila, rei dos hunos

Chegando na cidade alemã de Colônia, foram surpreendidos pelo exército de Átila, rei dos hunos, que havia tomado a cidade. Todos os tripulantes da embarcação foram mortos, com exceção de Úrsula, que atraiu Átila com sua beleza.

O chefe dos bárbaros tentou seduzir a Santa e chegou inclusive a lhe propôr um casamento, porém, ela recusou dizendo que já era esposa do mais poderoso de todos os reis da Terra, Jesus Cristo. Essa afirmação enfureceu Átila, que na mesma hora degolou Santa Úrsula.

Ordem das Ursulinas

A jovem faleceu no dia 21 de outubro de 383. O seu túmulo está localizado em Colônia. Na Idade Média, Santa ngela Mérici fundou a Companhia de Santa Úrsula, também conhecida como Ordem das Ursulinas. O objetivo da Ordem era oferecer uma formação cristã às meninas.

A proposta das Ursulinas era a de que essas futuras mães de família fossem multiplicadoras do Evangelho, catequizando seus próprios filhos. A iniciativa foi pioneira, pois até então, a preocupação com a educação era voltada apenas para os homens. Atualmente a ordem está presente nos cinco continentes. (EPC)

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas