Gaudium news > Governo peruano proíbe abertura de igrejas para celebrações da Semana Santa

Governo peruano proíbe abertura de igrejas para celebrações da Semana Santa

“É uma decisão que não conseguimos compreender porque viola o direito fundamental de exercer adequadamente a liberdade religiosa e de culto”, lamentou o Arcebispo de Piura e Tumbes.

Peru – Lima (31/03/2021 16:57, Gaudium Press) O governo peruano publicou um decreto no qual proíbe a abertura de igrejas para as celebrações da Semana Santa, mesmo após os templos se comprometerem a seguir um rigoroso processo aprovado pelo Ministério de Saúde.

O documento causou indignação nos católicos do país, pois durante esse período, que vai da quinta-feira santa, 1º de abril, até o domingo de Páscoa, 4 de abril, o funcionamento de lojas, supermercados, farmácias e restaurantes foi liberado, com capacidade reduzida em algumas regiões.

Decisão viola o direito fundamental de exercer a liberdade religiosa e de culto

Segundo o Arcebispo de Piura e Tumbes, Dom José Antonio Eguren, esta decisão do governo peruano é “dolorosa para todos nós, porque somos um povo profundamente crente e católico, com fome da presença eucarística de Deus nas nossas vidas. É uma decisão que não conseguimos compreender porque viola o direito fundamental de exercer adequadamente a liberdade religiosa e de culto”.

Para o prelado, por trás desta decisão há “uma visão ideológica laicista e equivocada do ser humano que subestima a dimensão espiritual da pessoa, como se ela não existisse, fosse irreal, ou não tivesse importância para 90% da população peruana, que se confessa crente”.

Apoio da Igreja em campanhas de oxigenação, medicamentos e alimentos para combater a Covid-19

Dom Eguren recordou todo apoio intenso da Igreja nas inúmeras campanhas de oxigenação, medicamentos e alimentos para combater a Covid-19 durante um ano. “Além disso, através da implementação rigorosa de seus protocolos de biossegurança, higiene e distanciamento físico em seus templos, não foi ocasião de contágios”.

O Arcebispo considera “um excesso proibir a nível nacional as celebrações litúrgicas dentro dos templos onde os protocolos sanitários que a Igreja Católica estabeleceu com o Ministério de Saúde são cumpridos rigorosamente, aplicados com responsabilidade em um ambiente controlado, com distanciamento e sem muita movimentação”. (EPC)

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas