Gaudium news > Fundado o Primeiro Mosteiro Católico no Tajiquistão

Fundado o Primeiro Mosteiro Católico no Tajiquistão

A Igreja Católica está presente no Tajiquistão desde o final dos anos 1970, quando chegaram sacerdotes e leigos católicos deportados pelo regime de Stalin na época soviética.

Redação (22/07/2021 11:57, Gaudium Press) Foi inaugurado o primeiro mosteiro de vida contemplativa no Tajiquistão, país predominantemente muçulmano da Ásia Central. A família religiosa do Instituto do Verbo Encarnado (IVE) é a responsável pelo novo mosteiro dedicado a São João Paulo II, pontífice que incentivou as missões na Ásia Central quando o comunismo impedia a confissão pública da Fé.

“Para nós (o mosteiro) tem um significado muito importante porque são religiosas que estão dentro da missão rezando pelos frutos dos apostolados que se realizam ali onde estamos trabalhando. E é muito oportuno, por usar um termo mais vulgar, nestes tempos de conflito. É um privilégio muito grande”, afirmou o Padre Pedro López, sacerdote responsável pelos católicos no Tajiquistão.

Procissão com imagem de Nossa Senhora de Luján

A cerimônia de fundação do novo mosteiro foi celebrada pelo administrador apostólico de Uzbequistão, o Padre Jerzy Maculewicz, e concluída com uma procissão na qual se levou a imagem de Nossa Senhora de Luján, padroeira da Argentina, que após percorrer um trajeto de cinquenta metros, foi entronizada no interior do mosteiro.

“Foi emotivo também para a gente, porque não são coisas que se veem nestes países, como se vê em países cristãos europeus ou latino-americanos. Aqui, apesar de não haver proibições explícitas, não se costuma fazer manifestações públicas da Fé”, ressaltou o Padre López.

Tajiquistão possui cerca de 120 católicos

Quatro religiosas do IVE, originárias do Uzbequistão, Paraguai e Argentina, se instalaram na nova casa, localizada na paróquia de São José, uma das duas únicas igrejas católicas no país. Essas monjas se somam à comunidade católica que, em um país com quase nove milhões de habitantes, reúne apenas 120 fiéis, dois sacerdotes e três religiosas de vida ativa.

A Igreja Católica está presente no Tajiquistão desde o final dos anos 1970, quando chegaram sacerdotes e leigos católicos deportados pelo regime de Stalin na época soviética. Ao retornarem para seus respectivos países na década de 1990, deixaram dois templos construídos e uma pequena comunidade de irmãs de Santa Teresa de Calcutá, única presença católica até a chegada de um sacerdote do Verbo Encarnado, no ano de 1997. (EPC)

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas