Gaudium news > Franciscanos iniciam celebrações pelo bicentenário de Frei Galvão

Franciscanos iniciam celebrações pelo bicentenário de Frei Galvão

O ato, que ocorreu por ocasião do início das celebrações pelo bicentenário de morte de Frei Galvão, foi presidido pelo reitor do Santuário Frei Galvão, Frei Diego Melo.

Foto: Divulgação/Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil.

São Paulo (08/06/2022 14:36, Gaudium Press) A comunidade dos frades reunidos no Regional São Paulo, no Largo São Francisco, no centro de São Paulo realizou uma caminhada partindo da igreja do Convento São Francisco até o Mosteiro da Luz, onde está sepultado Santo Antônio de Sant’anna Galvão: o primeiro santo brasileiro.

Foto: Divulgação/Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil.

Chamado universal à santidade

O ato, que ocorreu por ocasião do início das celebrações pelo bicentenário de morte de Frei Galvão, foi presidido pelo reitor do Santuário Frei Galvão, Frei Diego Melo. Segundo o religioso, refazer os passos que este santo fez por tantos anos até o Mosteiro da Luz é “voltar no passado e beber dessa fonte de santidade e, ao mesmo tempo, perceber que é possível abraçar esse caminho de santidade nos dias de hoje”.

Ao chegarem no Mosteiro da Luz, foi celebrada uma Santa Missa, presidida pelo Ministro Provincial Frei Paulo Roberto Pereira, e concelebrada pelo Definidor Provincial Frei Fidêncio Vanboemmel, pelo coordenador do Regional, Frei Vitorio Mazzuco, e Frei Diego. Este último recordou o chamado universal à santidade: “Nós, os freis franciscanos, as irmãs, o povo que ama Jesus Cristo e que quer conhecer ainda mais o exemplo de Frei Galvão. Todos nós somos chamados a ser santos”.

Foto: Divulgação/Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil.

Santo Antônio de Sant’Ana Galvão e o Mosteiro da Luz

Em sua homilia, Frei Vitorio traçou um paralelo entre os santos construtores: São Francisco de Assis, que reergueu São Damião, e Santo Antônio de Sant’Ana Galvão, que construiu o Mosteiro da Luz. “Por onde passam os santos, os lugares nunca mais serão os mesmos. Foram os passos de Jesus nas terras da Palestina que determinaram o Evangelho e inspiraram São Francisco. Há oito séculos, ele chega à Igreja de São Damião e a coloca novamente em pé. Ele reconstrói o Mosteiro de São Damião. Há uma inspiração: ‘Francisco vai, reconstrói a minha casa’. Há duzentos anos, podemos dizer também que a mesma experiência viveu Frei Galvão. Santo Antônio de Sant’Ana Galvão escuta essa mesma experiência: ‘Reconstrói a minha casa’. Um constrói o mosteiro de São Damião, o outro, o Mosteiro da Luz”, recordou.

Após a comunhão, as Irmãs Concepcionistas quebraram uma tradição secular ao saírem da clausura e se dirigirem ao altar principal, de onde abençoaram os frades e a comunidade. Em seguida, entregaram aos irmãos franciscanos a relíquia de primeiro grau de Santo Antônio de Sant’Ana Galvão como gesto de amizade fraterna, pedindo para que ela seja entronizada no Santuário de Frei Galvão de Guaratinguetá. (EPC)

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas