Gaudium news > Como manter a harmonia na família

Como manter a harmonia na família

O respeito, a polidez e as boas maneiras têm um importante papel… até na intimidade do lar.

Redação (23/12/2020 19:03, Gaudium Press) Napoleão III, Imperador da França de 1852 a 1870, era casado com a condessa Eugênia de Montijo, uma espanhola de rara beleza, atraente conversação e espírito um tanto “apimentado”. Na época, havia algo que a sociedade atual, infelizmente, vai perdendo aos poucos, quase sem se dar conta: a arte de conviver.

Assim, era sobretudo nas recepções da Corte e nos tranquilos momentos de convívio familiar que o casal imperial encontrava suas ocasiões de entretenimento.

Certo dia, o Imperador recebeu inquietantes informações a respeito de uma conspiração com o objetivo de depô-lo do trono. Por isto, ao entrar em seu palácio, no final da tarde, vinha carregado de graves preocupações. Mas não queria afligir sua esposa com o fardo dessas perspectivas perturbadoras.

Encontrou a Imperatriz em seu luxuoso gabinete de toilette, diante do espelho, arranjando-se para uma festa na qual ela devia ser o centro das atenções.

Sentou-se a seu lado, aproveitando a ocasião para distender-se durante alguns instantes de agradável conversa na intimidade familiar.

Enquanto se enfeitava, ela discorria despreocupadamente sobre o “tudo e nada” da vida doméstica, os diz-que-diz da alta sociedade parisiense, e assuntos congêneres. Ele se entretinha ouvindo-a, e isto aliviava-lhe o peso dos inquietantes problemas políticos.

Mas parece que nesse dia a bela e culta espanhola ultrapassou os limites normais da loquacidade. Em certo momento, o Imperador deixou-se tomar por um impulso de impaciência diante das palavras irrefletidas da esposa e interrompeu-a com uma pergunta inesperada:

— Senhora, sabeis qual é a diferença entre vós e o espelho?

— Senhor, nem posso imaginar. Mas quem faz perguntas deste gênero costuma saber a resposta. Dizei-me vós — replicou ela, após poucos segundos de hesitação.

— É que o espelho reflete…

A provocação fora forte! Mas não desconcertante para essa nobre dama dotada de notável presença de espírito. A réplica não se fez esperar:

— E qual é a diferença entre o espelho e vós, senhor?

Por esta ele não esperava. Pensou durante alguns instantes e, por fim, declarou-se vencido:

— Senhora, pusestes em xeque o rei. Não sei responder.

— Vede como o espelho é polido… — concluiu ela, triunfante.

Seguiu-se um curto tempo de silêncio e suspense. Quantas vezes, em circunstâncias semelhantes, um pequeno incidente como este degenerou em áspera discussão e talvez tenha acabado em divórcio! Com Napoleão III e a Imperatriz Eugênia, o que aconteceu?

Respeito, polidez e boas maneiras

Infelizmente, não se pode elogiar neles a vida de piedade, mas viviam numa época em que, mesmo na intimidade, as pessoas de todas as classes sociais estavam habituadas a um trato muito respeitoso, à polidez e às boas maneiras.

Além disto, unia-os uma verdadeira estima mútua, fortalecida pelo vínculo matrimonial. Uma simples troca de olhares e de sorrisos encerrou o episódio.

Ela aprendeu a ser um pouco mais refletida em suas palavras, e ele recebeu uma pequena lição de polidez… Trato respeitoso, polidez e boas maneiras: três valores fundamentais para a boa convivência, sobretudo para manter a concórdia no lar.

São eles elementos importantes de uma arte muito útil para as pessoas de todas as idades, profissões e classes sociais. Genuíno produto da Civilização Cristã, bem pode ela ser chamada de “arte de conviver”. Sabendo manejá-la, o pai e a mãe têm o condão de tornar agradável o convívio em família e de exercer sobre os filhos uma benéfica influência, indispensável para conduzi-los no reto caminho.

Mais importante ainda é a prática da Religião

Essa arte de conviver tem grande importância na vida familiar. Mas não é suficiente. Sem dúvida, a falta de boas maneiras, respeito e polidez é responsável por muitos pequenos incidentes domésticos dos quais decorrem desentendimentos que por vezes terminam em separações.

Porém, a principal causa da ruína de incontáveis lares é a descristianização da sociedade moderna. Ou seja, o afastamento da Lei de Deus, o abandono da oração, da prática da Religião.

Assim, a “arte de manter a concórdia no lar” compõe-se destes elementos: respeito, boas maneiras, polidez, serenidade e, sobretudo, prática da Religião.

Isto é o que havia em grau máximo na Sagrada Família, em Nazaré, modelo supremo para todas as famílias.

Texto extraído da Revista Arautos do Evangelho n. 28. Abril 2004. Por Antonio Queiroz.

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas

  • Aproveitar o tempo

    Advirtam aos que pensam cingir o mundo com suas pregações e obras exteriores, que muito mais proveito fariam à Igreja se gastassem metade deste t...

    Mais
  • A esmola do bom exemplo

    Todos nós temos a obrigação de trabalharmos pela salvação de nossos irmãos, com a palavra e o exemplo de vida. Redação (24/02/2021 17:...

    Mais