Gaudium news > Cirilo de Alexandria e os conselhos para os pastores e as ovelhas

Cirilo de Alexandria e os conselhos para os pastores e as ovelhas

A Igreja Católica comemora no dia 27 de junho São Cirilo de Alexandria. Este insigne doutor tem algum ensinamento a nos dar hoje?

Redação (27/06/2020 06:30, Gaudium Press) Se julgamos que atualmente a Igreja atravessa momentos difíceis e dramáticos, o que pensavam os católicos do século V sobre seu próprio tempo?

Imagine o leitor que, um dia, um alto prelado subisse ao púlpito para lançar afirmações como esta: “Maria não tinha nada de especial. Era uma mulher como as outras, pois não foi a Mãe de Deus”. É uma heresia que ofende a Deus e sua Mãe Santíssima, que choca e enche de indignação não só os teólogos em sua sabedoria, mas até o povo simples em sua piedade, porque toca num dos pilares de nossa Fé: o amor a Nossa Senhora.

Como em todos os momentos de crise, porém, Deus suscita um homem para salvar a Igreja. Com efeito, um comentário à memória de São Cirilo de Alexandria não podia ser mais oportuno.

A vida de São Cirilo de Alexandria

São Cirilo de Alexandria nasceu por volta do ano 370, no Egito. Era sobrinho do bispo da cidade, Teófilo, e, quando este morreu, sucedeu-lhe no patriarcado em 412. Pouco se sabe da vida do Santo. Não é um personagem de quem se conheça a intimidade ou anedotas. O que passou para a História, isto sim, foi sua luta contra Nestório – chegando a ser exilado e feito prisioneiro – e sua atuação no Concílio de Éfeso, em 431.

Atravessaram os séculos algumas de suas obras exegéticas e várias homilias, nas quais se revela um espírito polêmico – e diríamos até mesmo agressivo – em relação aos desvios dos hereges.

A heresia de Nestório

O alto prelado que começou a difundir erros sobre a Maternidade Divina de Maria chamava-se Nestório, Patriarca de Constantinopla.

A Doutrina Católica ensina que Nosso Senhor Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, ou seja, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade encarnada reúne em si a natureza divina e humana. Assim era necessário para operar a Redenção, porque nós, homens, tínhamos uma dívida infinita. De fato, podemos afirmar que Deus sofreu e morreu na Cruz para nos salvar.

Nestório, porém, dizia que na pessoa de Cristo habitava o Verbo de Deus, como dentro de um templo. Já não era o Homem-Deus, Jesus, mas um homem qualquer no qual morava temporariamente Deus. Assim, havia duas pessoas distintas: uma, o Cristo, homem comum; a outra, o Verbo, Deus. Maria era Mãe de Cristo, quer dizer, apenas do homem. Portanto, não competia a Nossa Senhora o título de “Mãe de Deus”.

Ora, o erro de Nestório comprometia toda Fé Católica: não tinha havido verdadeira Encarnação e Redenção.

Reação de São Cirilo e Concílio de Éfeso

Para corrigir os desvios de Nestório, em 431, o Sumo Pontífice convocou um Concílio na cidade de Éfeso. São Cirilo foi a alma do encontro. Agiu com firmeza e energia, como atestam suas palavras:

“Eu amo a paz; não há nada que me aborreça mais do que as querelas e as disputas. Eu amo todo o mundo e se pudesse curar um irmão, perdendo todos os meus bens e haveres, estaria disposto a fazê-lo com alegria, pois a concórdia é o que mais estimo… Mas a Fé está ameaçada e um escândalo espera todas as igrejas do Império Romano… A doutrina sagrada nos está confiada… Como poderemos remediar esses males?… Eu estou pronto a suportar tranquilamente todas as torturas, todas as humilhações, todas as injúrias, para que a Fé não sofra nenhum prejuízo”. ¹

Graças à sua intransigência e seu ao espírito aguerrido, o Dogma da Maternidade Divina foi solenemente proclamado e os erros de Nestório condenados. Conta-se que o povo, arrebatado de entusiasmo, aclamou os padres conciliares pela cidade afora, dizendo: “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte”.

Dois conselhos de São Cirilo para nossos dias

A vida de São Cirilo deixa a todo o rebanho de Cristo muitas e preciosas lições. Podemos, contudo, realçar duas. Um conselho aos pastores; outro, às ovelhas.

Pastores, a piedade marial é intocável. O rebanho reconhece nos lábios de seus guias aqueles que têm verdadeira devoção a Nossa Senhora, por isso, acorre ávido para junto de seus condutores, se forem autenticamente mariais. A grei do Senhor será sempre numerosa, seus apriscos estarão continuamente cheios, desde que se fale da Mãe do Bom Pastor.

Ovelhas, existem pastores e mercenários. Como diferenciá-los? O pastor ensina, conduz e santifica. O mercenário engana, desvia e condena. Os bons guias apontam ao rebanho o redil de Maria. Os mercenários o menosprezam, esquecem-no e ofendem-no.

Vale recordar aqui o comentário de D. Guéranger a propósito da controvérsia Nestoriana: “Quando o pastor se transforma em lobo, cabe ao rebanho se defender”. ²

Por Paulo da Cruz

1 SÃO CIRILO DE ALEXANDRIA. Epistola IX, apud DU MANOIR DE JUAYE, SJ, Hubert. Dogme et spiritualité chez Saint Cyrille d’Alexandrie. Paris: Vrin, 1944, p.35.

2 GUÉRANGER, Prosper. El Año Litúrgico. Burgos: Aldecoa, 1956, vol. 2, pp. 744-745.

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas

  • Católicos podem comemorar o Halloween?

    O costume de comemorar as bruxas e outros espíritos, além de invocar os mortos, não é católico, deve ser evitado, mesmo que possa ter apenas co...

    Mais
  • Juventude e velhice

    “Não envelhecemos por termos vivido um certo número de anos. Ficamos velhos porque desertamos de nosso ideal.” Redação (30/10/2020 11:...

    Mais