Gaudium news > Bispos brasileiros aprovam a realização de Ano Vocacional em 2023

Bispos brasileiros aprovam a realização de Ano Vocacional em 2023

A proposta foi apresentada pela Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB durante o segundo dia da Assembleia Geral.

Redação (14/04/2021 09:40, Gaudium Press) Durante a 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que está sendo realizada de forma virtual, foi aprovada, por unanimidade, a realização do terceiro Ano Vocacional da Igreja no Brasil em 2023.

Na ocasião, serão comemorados os 40 anos do primeiro ano temático dedicado à reflexão, oração e promoção das vocações no país. A proposta foi apresentada pela Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB durante o segundo dia da Assembleia.

Primeiro Ano Vocacional

Dom João Francisco Salm, presidente da comissão e Bispo da Diocese de Tubarão (SC), explicou que o Ano Vocacional de 2023 dará continuidade a um processo iniciado em 1983, quando foi celebrado o primeiro ano vocacional do Brasil.

A iniciativa “favoreceu e ampliou o reconhecimento de que toda a comunidade cristã é responsável pela animação, cultivo e formações das vocações”. O prelado recordou ainda vários outros frutos, como a dinamização dos Serviços de Animação Vocacional e da Pastoral Vocacional, além da produção de subsídios sobre o tema das vocações.

Sem consciência vocacional, a Igreja não terá o vigor missionário que ela precisa ter

O segundo ano vocacional ocorreu em 2003, tendo por tema ‘Batismo, fonte de todas as vocações’. Segundo o Bispo de Tubarão, este evento “promoveu um novo despertar vocacional, conscientizou para a vocação e missão batismal na comunidade eclesial e na sociedade”, e ainda favoreceu outros frutos para a Igreja.

O projeto para o terceiro ano vocacional surgiu em 2019, durante o 4º Congresso Vocacional do Brasil. Na época, o presidente da CNBB, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, afirmou que “sem consciência vocacional, a Igreja não terá o vigor missionário que ela precisa ter”. (EPC)

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas