Gaudium news > Arcebispo de São Francisco: o novo projeto de aborto é um “sacrifício de crianças”

Arcebispo de São Francisco: o novo projeto de aborto é um “sacrifício de crianças”

A Câmara dos Deputados americana estudará esta semana “o projeto de lei de aborto mais radical de todos os tempos”.

Redação (23/09/2021 10:50, Gaudium Press) Mons. Salvatore Cordileone, Arcebispo de São Francisco, nos Estados Unidos, qualificou o projeto de lei que será votado esta semana na Câmara dos Deputados americana como um “sacrifício de crianças”, e convocou os fiéis a orar e jejuar para que ele não se concretize.

“Esta legislação proposta nada mais é do que o sacrifício de crianças”, afirmou ele em um comunicado.

Na verdade, o projeto de lei, apresentado por Judy Chu, democrata da Califórnia, é radical: estabelece que as mulheres têm um “direito legal” ao aborto e formaliza o “direito” de médicos, parteiras, enfermeiras e assistentes médicos a realizar abortos.

Também elimina as limitações ao aborto vigentes em alguns estados, como a obrigatoriedade de realizar ultrassom ou a de ter um período de espera antes de realizá-lo.

Um hediondo mal codificado como lei

“Qualquer pessoa razoável com um senso básico de moralidade e indício de decência não pode deixar de se horrorizar ante um mal tão hediondo codificado em lei”, declarou Mons. Cordileone.

Da mesma forma, o projeto elimina todas as proibições ao aborto antes da chamada ‘viabilidade’ do nascituro – ou seja, as supostas condições físicas de sobrevivência fora do útero – e também permitiria abortos nos últimos meses de gestação sem “limites significativos”, segundo advertiu o episcopado americano, que o descreveu como “o projeto de lei do aborto mais radical de todos os tempos”.

Ademais, o projeto de lei “obrigaria todos os americanos a apoiar o aborto aqui e no exterior com o dinheiro de seus impostos” e “também obrigaria os provedores de saúde e profissionais a realizar, ajudar e/ou recomendar o aborto contra suas crenças, além de obrigar os empregadores e seguradoras a cobrir ou pagar pelo aborto”, disse Mons. Josephn Naumann, presidente do comitê pró-vida do episcopado americano.

É também um projeto que revela as verdadeiras intenções dos abortistas, nas palavras de Mons. Cordileone, pois “mostra a que extremos radicais irão os defensores supostamente ‘pró-escolha’ de nosso país para proteger o que consideram mais sagrado: o direito de matar seres humanos inocentes no útero”.

Com informações Catholic World.

 

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas