Gaudium news > Anistia Internacional mais uma vez pressiona para que o aborto seja legalizado

Anistia Internacional mais uma vez pressiona para que o aborto seja legalizado

Desta vez, a dita ONG está em campanha em El Salvador, enviando cartas aos deputados da Assembleia Legislativa.

Redação (08/04/2021 09:37, Gaudium Press) Mais uma vez, a ONG transnacional Anistia Internacional quer influenciar o interior de um país ao promover o aborto. Agora “exige” dos membros da Assembleia Legislativa de El Salvador a “completa descriminalização do aborto” no país.

Quem divulga a pressão da Anistia Internacional é o deputado Andrés Velasquez Parker, que é pró-vida e revelou em carta que esta ONG denigre o país: “El Salvador é um dos últimos países do mundo que proíbe totalmente o aborto”, diz a carta.

“Em seu país, são impostas condenações muito severas às mulheres que optam pelo aborto e às pessoas que as ajudam ou participam do aborto”, diz a ONG internacional.

Em El Salvador, é pessoa o ser humano desde a concepção

Em El Salvador, a Constituição reconhece “como pessoa todo ser humano desde o momento da concepção”, e a legislação pune as mulheres que praticam o aborto com pena de dois a oito anos de reclusão, embora não haja mulheres presas por esse crime.

A Anistia Internacional alude em sua campanha ao caso de uma mulher que foi presa – Teodora Vasquez – e pede indenização e anistia para ela. Seu caso está sendo amplamente utilizado por aqueles que pedem a legalização do aborto.

Vasquez foi condenada a 30 anos de prisão por abandonar sua filha recém-nascida na bacia de um banheiro de uma escola. Sua pena foi comutada, mas ela não foi declarada inocente.

Sara Larín, fundadora da VIDA SV declarou à Aciprensa que “a Anistia Internacional tem sido uma das organizações que mais mente para o mundo, alegando que Teodora foi deixada em liberdade por ter sofrido um aborto espontâneo”.

Larín também denunciou “a interferência de organizações estrangeiras para forçar mudanças na legislação interna”.

“Os deputados devem cumprir a Constituição e não beneficiar agendas políticas de grupos de poder”, sublinhou.

Com informações Aciprensa

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas