Loading
 
 
 
Loading
 
Cardeais criticam documento de trabalho do Sínodo da Amazônia
Loading
 
10 de Setembro de 2019 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Terça-feira, 10-09-2019, Gaudium Press) Com o título Dois cardeais criticam documento de trabalho do Sínodo da Amazônia, a Agencia ACI-Digital publicou em sua edição do último dia 04 de setembro uma matéria em que trata de declarações dos cardeais Walter Brandmüller e Raymond Burke a propósito do Sínodo da Amazônia.

Dois cardeais criticam documento de trabalho do Sínodo da Amazônia-Foto Daniel Ibáñez-ACI Prensa.jpg

Segundo a Agência, o Grupo ACI teve acesso às ditas cartas.

Nós transcrevemos as informações publicadas pela Agencia em www.acidigital.com .

"O grupo ACI teve acesso às cartas que cada um dos cardeais escreveu separadamente, em italiano, e enviaram a outros membros do Colégio Cardenalicio, fazendo uma grave denúncia de alguns pontos do documento de trabalho (Instrumentum laboris) do Sínodo da Amazônia, que se realizará no Vaticano de 6 a 27 de outubro.

Instrumentum laboris

"Em poucas semanas começará o chamado Sínodo da Amazônia. O que se sabe até agora sobre o Sínodo não pode senão suscitar as mais sérias preocupações.
Alguns pontos do Instrumentum laboris parecem não só estar em dissonância com o ensino autêntico da Igreja, mas são contrários a Ela", afirma por sua parte o Cardeal alemão Walter Brandmüller em sua carta datada em 28 de agosto.

"Como mostra a experiência destes últimos sínodos, deve-se temer tentativas não só de manipular a sessão sinodal mas as de exercer fortes pressões sobre ela", alertou o purpurado.

A seguir o Cardeal expressou sua preocupação sobre a participação do Cardeal brasileiro Claudio Hummes, que preside a Rede Eclesiástica Panamazónica (Repam), instituição que, segundo o Bispo Emérito de Marajó (Brasil), Dom José Luis Azcona, teve um papel protagonista na redação do texto.

Diz o Cardeal Brandmüller:

"O simples fato de que o Cardeal Hummes seja seu presidente lhe possibilitará uma grave influência no sentido negativo, e, isto nos basta para que nossa preocupação seja fundamentada e realista, de igual maneira no caso da participação dos bispos (Erwin) Kräutler, (Franz-Josef) Overbeck, etc."

Diaconisas, Celibato sacerdotal

Recorda a ACI que Dom Overbeck se manifestou em maio deste ano a favor da "greve de mulheres" na Alemanha, uma espécie de protesto à negativa do Papa Francisco à proposta de ordenar diaconisas; e que Erwin Kräutler, que serve como vice-presidente da Repam, defende a ordenação sacerdotal de homens casados.

O Cardeal Brandmüller advertiu também que "as formulações nebulosas do Instrumentum, como a pretendida criação de novos ministérios eclesiásticos para as mulheres e, sobretudo, a ordenação presbiteral dos chamados viri probati, suscitam a forte suspeita de que será colocado em questão até mesmo o celibato sacerdotal".

O Instrumentum Laboris propõe, que no caso da Amazônia, a ordenação de homens casados e de comprovada virtude poderá compensar a ausência de sacerdotes em algumas regiões.

Ataques ao Depositum Fidei, à hierarquia e à tradição

Ante esta situação, continuou o Cardeal que é perito em história da Igreja e que foi também professor universitário, "teremos que confrontar sérios ataques à integridade do Depositum fidei (o depósito da fé), à estrutura hierárquico-sacramental e à Tradição Apostólica da Igreja. Com tudo isto se criou uma situação nunca antes vista em toda a história da Igreja, nem sequer durante a crise ariana dos séculos IV e V".

Arianismo

Ario foi um bispo que negava a divindade de Cristo, que logo seria conhecida como a heresia do arianismo.
Em seu tempo um dos que a combateu fortemente foi outro bispo, Santo Atanásio.

Como reagir?

Em relação às ameaças que vê no Instrumentum laboris, o Cardeal Brandmüller indicou que "aparece então a grave pergunta sobre como nós cardeais, nesta situação historicamente inédita, podemos atuar à altura de nosso solene juramento cardinalício e como poderemos reagir a eventuais afirmações ou decisões heréticas do Sínodo".

"Certamente você como cardeal já refletiu sobre a situação e inclusive nos possíveis passos a dar em comum. Por isso espero que Sua Eminência, por sua parte, tome a ocasião de corrigir, segundo o ensino da Igreja, certas posições expressas no Instrumentum laboris do Sínodo da Amazônia, usando também as redes sociais", concluiu.

A carta do Cardeal Burke

Por sua parte, o Cardeal americano Raymond Burke assinalou em sua carta, também datada no 28 de agosto, que compartilha "plenamente as profundas preocupações do Cardeal Brandmüller sobre o iminente Sínodo para a Amazônia, da forma como seu trabalho está previsto no Instrumentum laboris".

Além dos pontos mencionados pelo Cardeal alemão, o Cardeal Burke advertiu que no documento de trabalho do Sínodo "a verdade de que Deus revelou a Si mesmo plenamente e perfeitamente através do mistério da Encarnação redentora de Deus Filho não só está obscurecida; ela é negada".

"Como consequência lógica, a missão da Igreja, a missão de evangelização, é negada em favor de um ‘enriquecimento recíproco das culturas em diálogo'", como assinala o numeral 122 do documento.

Apostasia da Fé católica?

Desse modo, "o papel positivo da inculturação na missão de evangelização está sendo contrariado, ao ponto que a cultura condiciona a verdade revelada, em vez de ser a verdade revelada quem purifica e eleva toda cultura", prosseguiu.

Além disso, alertou, alguns pontos comentados pelo Cardeal Brandmüller "fazem pressagiar uma apostasia da fé católica".

Proteção da Virgem nestes tempos inquietos e inquietantes

"Que nosso ensino, pela graça de Deus, seja eficaz para combater a grande ameaça à Igreja no momento presente. Que a Virgem Mãe de Deus, São José, protetor da Igreja Universal, os Santos Pedro e Paulo, e os grandes Santos cardeais intercedam fortemente pelo Colégio de Cardeais nestes tempos inquietos e inquietantes", concluiu. (ARM)

 

Loading
Cardeais criticam documento de trabalho do Sínodo da Amazônia

Redação (Terça-feira, 10-09-2019, Gaudium Press) Com o título Dois cardeais criticam documento de trabalho do Sínodo da Amazônia, a Agencia ACI-Digital publicou em sua edição do último dia 04 de setembro uma matéria em que trata de declarações dos cardeais Walter Brandmüller e Raymond Burke a propósito do Sínodo da Amazônia.

Dois cardeais criticam documento de trabalho do Sínodo da Amazônia-Foto Daniel Ibáñez-ACI Prensa.jpg

Segundo a Agência, o Grupo ACI teve acesso às ditas cartas.

Nós transcrevemos as informações publicadas pela Agencia em www.acidigital.com .

"O grupo ACI teve acesso às cartas que cada um dos cardeais escreveu separadamente, em italiano, e enviaram a outros membros do Colégio Cardenalicio, fazendo uma grave denúncia de alguns pontos do documento de trabalho (Instrumentum laboris) do Sínodo da Amazônia, que se realizará no Vaticano de 6 a 27 de outubro.

Instrumentum laboris

"Em poucas semanas começará o chamado Sínodo da Amazônia. O que se sabe até agora sobre o Sínodo não pode senão suscitar as mais sérias preocupações.
Alguns pontos do Instrumentum laboris parecem não só estar em dissonância com o ensino autêntico da Igreja, mas são contrários a Ela", afirma por sua parte o Cardeal alemão Walter Brandmüller em sua carta datada em 28 de agosto.

"Como mostra a experiência destes últimos sínodos, deve-se temer tentativas não só de manipular a sessão sinodal mas as de exercer fortes pressões sobre ela", alertou o purpurado.

A seguir o Cardeal expressou sua preocupação sobre a participação do Cardeal brasileiro Claudio Hummes, que preside a Rede Eclesiástica Panamazónica (Repam), instituição que, segundo o Bispo Emérito de Marajó (Brasil), Dom José Luis Azcona, teve um papel protagonista na redação do texto.

Diz o Cardeal Brandmüller:

"O simples fato de que o Cardeal Hummes seja seu presidente lhe possibilitará uma grave influência no sentido negativo, e, isto nos basta para que nossa preocupação seja fundamentada e realista, de igual maneira no caso da participação dos bispos (Erwin) Kräutler, (Franz-Josef) Overbeck, etc."

Diaconisas, Celibato sacerdotal

Recorda a ACI que Dom Overbeck se manifestou em maio deste ano a favor da "greve de mulheres" na Alemanha, uma espécie de protesto à negativa do Papa Francisco à proposta de ordenar diaconisas; e que Erwin Kräutler, que serve como vice-presidente da Repam, defende a ordenação sacerdotal de homens casados.

O Cardeal Brandmüller advertiu também que "as formulações nebulosas do Instrumentum, como a pretendida criação de novos ministérios eclesiásticos para as mulheres e, sobretudo, a ordenação presbiteral dos chamados viri probati, suscitam a forte suspeita de que será colocado em questão até mesmo o celibato sacerdotal".

O Instrumentum Laboris propõe, que no caso da Amazônia, a ordenação de homens casados e de comprovada virtude poderá compensar a ausência de sacerdotes em algumas regiões.

Ataques ao Depositum Fidei, à hierarquia e à tradição

Ante esta situação, continuou o Cardeal que é perito em história da Igreja e que foi também professor universitário, "teremos que confrontar sérios ataques à integridade do Depositum fidei (o depósito da fé), à estrutura hierárquico-sacramental e à Tradição Apostólica da Igreja. Com tudo isto se criou uma situação nunca antes vista em toda a história da Igreja, nem sequer durante a crise ariana dos séculos IV e V".

Arianismo

Ario foi um bispo que negava a divindade de Cristo, que logo seria conhecida como a heresia do arianismo.
Em seu tempo um dos que a combateu fortemente foi outro bispo, Santo Atanásio.

Como reagir?

Em relação às ameaças que vê no Instrumentum laboris, o Cardeal Brandmüller indicou que "aparece então a grave pergunta sobre como nós cardeais, nesta situação historicamente inédita, podemos atuar à altura de nosso solene juramento cardinalício e como poderemos reagir a eventuais afirmações ou decisões heréticas do Sínodo".

"Certamente você como cardeal já refletiu sobre a situação e inclusive nos possíveis passos a dar em comum. Por isso espero que Sua Eminência, por sua parte, tome a ocasião de corrigir, segundo o ensino da Igreja, certas posições expressas no Instrumentum laboris do Sínodo da Amazônia, usando também as redes sociais", concluiu.

A carta do Cardeal Burke

Por sua parte, o Cardeal americano Raymond Burke assinalou em sua carta, também datada no 28 de agosto, que compartilha "plenamente as profundas preocupações do Cardeal Brandmüller sobre o iminente Sínodo para a Amazônia, da forma como seu trabalho está previsto no Instrumentum laboris".

Além dos pontos mencionados pelo Cardeal alemão, o Cardeal Burke advertiu que no documento de trabalho do Sínodo "a verdade de que Deus revelou a Si mesmo plenamente e perfeitamente através do mistério da Encarnação redentora de Deus Filho não só está obscurecida; ela é negada".

"Como consequência lógica, a missão da Igreja, a missão de evangelização, é negada em favor de um ‘enriquecimento recíproco das culturas em diálogo'", como assinala o numeral 122 do documento.

Apostasia da Fé católica?

Desse modo, "o papel positivo da inculturação na missão de evangelização está sendo contrariado, ao ponto que a cultura condiciona a verdade revelada, em vez de ser a verdade revelada quem purifica e eleva toda cultura", prosseguiu.

Além disso, alertou, alguns pontos comentados pelo Cardeal Brandmüller "fazem pressagiar uma apostasia da fé católica".

Proteção da Virgem nestes tempos inquietos e inquietantes

"Que nosso ensino, pela graça de Deus, seja eficaz para combater a grande ameaça à Igreja no momento presente. Que a Virgem Mãe de Deus, São José, protetor da Igreja Universal, os Santos Pedro e Paulo, e os grandes Santos cardeais intercedam fortemente pelo Colégio de Cardeais nestes tempos inquietos e inquietantes", concluiu. (ARM)

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://gaudiumpress.org/content/105036-Cardeais-criticam-documento-de-trabalho-do-Sinodo-da-Amazonia. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O monumental presépio é um dos maiores de Andaluzia, ganhando ano após ano mais fama e presença. ...
 
O problema do sofrimento não está tanto no que o ocasiona, mas no modo como é suportado. Ele exis ...
 
Apesar de ser uma apresentação gratuita, os espectadores são convidados a doarem ao menos um quil ...
 
A neve nos fala da inocência sem mancha, da beleza virginal e pura que tem o condão de encantar os ...
 
Podemos correr o risco de fazer a festa sem a presença do festejado e o que Ele é e significa para ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading